1. Usuário
Assine o Estadão
assine


FHC diz que não há elo do cartel com o PSDB

O Estado de S. Paulo

23 Janeiro 2014 | 22h 33

Ex-presidente da República afirma que houve acerto entre as empresas, mas ressalta que investigação aponta apenas ‘suborno’ a funcionários de estatais

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, atualmente presidente de honra do PSDB, disse nesta quinta-feira, 23, que o cartel na área do metrô e trens metropolitanos de São Paulo tem de ser investigado, mas acrescentou que não viu, até agora, nada que indique qualquer indício de pagamento de propina a políticos do PSDB e do governo paulista.

"Se trata de suborno, parece óbvio, de funcionários. Agora, qual o elo disso com o governador ou com o partido? Eu não vi. Nem indício", afirmou o ex-presidente em entrevista ao blog do jornalista Josias de Souza.

A afirmação do ex-presidente ocorre no momento em que três auxiliares do governador Geraldo Alckmin (PSDB) têm seus nomes envolvidos em investigações sobre cartel. São eles o secretário da Casa Civil, Edson Aparecido (PSDB), o da Energia, José Aníbal (PSDB), o de Desenvolvimento, Rodrigo Garcia (este do DEM). Todos negam taxativamente qualquer envolvimento com o cartel.

O inquérito que apura a ação combinada das empresas para a obtenção de contratos a preços superfaturados e as suspeitas de pagamento de propina está hoje no Supremo Tribunal Federal, pois os três secretários de Alckmin citados são deputados federais licenciados e têm, por causa disso, direito a foro especial.

As investigações começaram em 2008, a partir de contratos de energia do governo paulista com a multinacional francesa Alstom. Ministro da Secretaria de Comunicação do segundo mandato de FHC no Palácio do Planalto, Andrea Matarazzo é um dos 11 indiciados por causa de suspeitas em contratos com a Alstom. Hoje vereador do PSDB na capital do Estado, ele foi secretário de Energia na gestão do ex-governador tucano Mário Covas.

O inquérito quer investigava os contratos de energia acabou desmembrado a fim de que os contratos de trens e metrô fossem investigados. É essa parte da investigação que cita os secretários de Alckmin e está no STF.

No que se refere aos contratos de trens e metrô, há seis indiciados, entre eles ex-dirigentes da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos. Os políticos, porém, não estão na lista de indiciamento. O Supremo precisa dar uma autorização para que sejam investigados.

‘Não apareceu’. "É corrupção, é condenável", disse FHC, que insistiu: "Só que não foi no PSDB. Não apareceu. Pelo menos até hoje não há nenhum dado que diga que esse dinheiro foi usado pelo PSDB". O ex-presidente ponderou que o partido "tem que explicar isso", mas questionou: "Qual o indício de que esse recurso realmente foi dado?"

Segundo o ex-presidente, "cartel houve, são cinco empresas no mundo e elas cartelizam sempre". Mas bateu sempre na mesma tecla: "Subornar, podem ter subornado. Mas subornaram quem? Funcionários, pessoas nomeadas, pode até ser, mas não foi pelo partido, pelo governador. Aí é diferente."

É a segunda vez que FHC afirma, de público, que o PSDB não está envolvido nesse episódio. No início de agosto de 2013, quando o caso começava a ganhar destaque, ele disse que era "preciso tomar cuidado (ao se fazer denúncias)", porque "há muita agitação e pouca coisa".

Nessa linha, ele acrescentou ontem que "está havendo muita manipulação política". Principal delator do cartel, o ex-diretor da empresa alemã Siemens Everton Rheinheimer chegou a pedir emprego e proteção para o integrantes do PT