Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Festa 'surpresa' de Cunha teve impropérios contra Dilma e comentário sobre impeachment

Família de presidente da Câmara deixou festa programada em mansão no Lago Sul para comemorar vitória do parlamentar

Daniel Carvalho, Ricardo Della Coletta e Beatriz Bulla, O Estado de S. Paulo

02 Fevereiro 2015 | 14h08

 

Brasília - A vitória deveria parecer surpresa e a festa de comemoração, como se tivesse sido organizada de última hora. Mas a presença de manobristas, seguranças e jovens promoters uniformizadas na porta da mansão no Lago Sul de Brasília denunciavam que família e assessores de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) já haviam deixado tudo pronto para receber o novo presidente da Câmara domingo à noite, logo depois de concluída a eleição.

Entre o tablado e o toldo, mesas iluminadas com velas, garçons circulando com uísque, champanhe e vinho e dois bufês com massa e risoto de camarão. Mas o cardápio principal era o de 'pérolas' e impropérios contra a presidente Dilma Rousseff, seu staff e o PT.

"Ela vai ter de arrumar um bom articulador político, porque não gosta disso (de política)", disse um deputado do PMDB. "Eduardo amenizou no discurso a questão das sequelas. Mas Dilma tem que fazer a parte dela", completou esse parlamentar, em referência à ameaça feita pelo então candidato por causa da interferência do Palácio do Planalto na campanha em favor do derrotado Arlindo Chinaglia (PT-SP).

O público da festa era majoritariamente de membros do baixo clero. O Pastor Everaldo (PSC), ex-candidato à Presidência da República, conversava discretamente sentado em uma mesa próxima à de Cunha e sua família.

Já o também ex-candidato à Presidência Levy Fidelix (PRTB) soltava pérolas para quem quisesse ouvir. "A vida de Dilma vai ser um inferno. Vai vir impeachment", disse, apesar de Cunha se dizer, horas antes, contrário à saída da presidente. "Ela vai ser 'impeachada' e quem vai assumir é o Temer, em nove meses", profetizava.

Fidelix também não poupou o PT do B, que ficou de fora do bloco de apoio de Cunha, apesar do acordo de apoio feito entre os partidos nanicos. "O PT do B é traidor".

Peemedebistas como o deputado Danilo Forte (CE) aproveitavam para fazer campanha pela liderança do partido. Cunha ficou à mesa com a família, mas não deixou de circular entre os seus convidados. Na fila do bufê, comentavam que o novo presidente precisou ir ao banheiro para falar ao telefone com privacidade. Conversou com o vice-presidente Michel Temer.

No salão, uma banda tocava hits internacionais. Alguns convidados se afastaram um pouco para contemplar cacatuas e tucanos em gaiolas nos jardins da mansão do empresário Venâncio Júnior, de uma família de empreiteiros de Brasília.

Curiosos, convidados atravessavam o jardim e davam uma olhada em outra festa repleta de jovens que acontecia à margem da piscina. Ao saber do evento, um deputado disse que não poderia ir até lá e explicou seus motivos: "Menina novinha não gosta de deputado velho. Gosta de dinheiro de deputado velho. E eu não tenho (dinheiro)", afirmou.

Já era madrugada e Cunha continuou na festa. Nesta segunda-feira, 2, já estava a postos no Supremo Tribunal Federal (STF) para o início dos trabalhos do Judiciário. Nesta tarde, dá início às atividades no Congresso, que amanheceu com uma pilha de lixo que incluía cavaletes, banners e faixas da campanha que chegou ao fim.

Mais conteúdo sobre:
Eduardo Cunha Congresso eleição Câmara

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.