1. Usuário
Assine o Estadão
assine


‘Família não sabe o que pensar', diz filha de Malhães

CLARISSA THOMÉ - Agência Estado

25 Abril 2014 | 17h 08

Karla Malhães afirmou que seu pai, durante conversa no último domingo negou que tivesse recebendo ameaças por causa do depoimento que prestou à Comissão da Verdade

RIO - A médica Karla Malhães, mais velha dos cinco filhos do coronel reformado Paulo Malhães, encontrado morto com sinais de asfixia no sítio onde morava, no município de Nova Iguaçu (Baixada Fluminense) disse, na tarde desta sexta-feira, 25, que a família "está surpresa e não sabe o que pensar" sobre o crime. Karla contou que conversou com o pai no domingo, 20, e chegou a perguntar se ele havia sofrido ameaças por conta dos depoimentos prestados às Comissões Nacional e Estadual da Verdade e Malhães negou ter sido ameaçado.

"É tudo muito, muito assustador, muito surpreendente, não sabemos o que pensar. Por enquanto é latrocínio, roubo seguido de morte", afirmou Karla, no sítio do pai. A médica foi avisada da morte de Malhães nesta manhã, ao receber o telefonema de um policial militar que estava na casa do coronel. Segundo Karla, no início da tarde de quinta-feira, 24, os assaltantes invadiram a casa e amarraram a viúva, Cristina Malhães, e o caseiro. Os criminosos fugiram, por volta das 22h, levando as armas da coleção do coronel, além de eletrodomésticos. Alguns objetos foram deixados no mato.

No início da madrugada, Cristina conseguiu se desamarrar e chamou a Polícia Militar. Karla informou que os policiais, no entanto, disseram a Cristina que o sítio está em uma área violenta, de risco, e que esperariam amanhecer para ir ao local do crime. A região, chamada Marapicu, é disputada por traficantes e milicianos. Em março, Malhães revelou às comissões da verdade ter participado de torturas de opositores do regime militar, durante a ditadura. Disse ainda ter sido o responsável pelo sumiço do corpo do deputado Rubens Paiva, desaparecido em 1971.

Karla contou que na infância não sabia das atividades do pai. A filha disse só ter tomado conhecimento das prisões e torturas depois dos depoimentos às comissões da verdade. "Não sabíamos de nada e ficamos surpresos. Dissemos a ele que não devia ter falado, tanto tempo depois, ainda mais sem nos preparar. Nunca entendemos porque ele decidiu falar. Sempre foi uma pessoa muito reservada, muito difícil. Não era de conversar", afirmou Karla. Segundo a filha, Malhães se isolou ainda mais da família depois dos depoimentos. O coronel completou 77 anos no dia 17 de abril, sem qualquer comemoração, disse Karla. A Divisão de Homicídios da Baixada investiga o caso. As Comissões Estadual e Nacional da Verdade pedem que a Polícia Federal participe da apuração da morte do coronel. A família ainda não decidiu sobre o enterro.