Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Política » Falta clareza em pacote econômico, dizem especialistas

Política

Falta clareza em pacote econômico, dizem especialistas

Medidas estão em linha com pleito do mercado financeiro, mas ainda não há detalhamento sobre como ajustar as contas

0

O Estado de S.Paulo

02 Janeiro 2015 | 02h00

A presidente Dilma Rousseff afirmou que fará um ajuste nas contas públicas no seu segundo mandato para retomar o crescimento do País, mas ressaltou que isso será feito sem cortar direitos trabalhistas e previdenciários. O discurso de posse para o novo governo está alinhado com as propostas da nova equipe econômica anunciada no fim de 2014, mas ainda falta clareza sobre de que forma o governo pretende reequilibrar as contas públicas, afirmaram economistas consultados pelo Estado.

As primeiras medidas dentro da nova linha foram anunciadas no fim do ano passado e trouxeram regras mais rígidas para o seguro-desemprego e pensão por morte. Na ocasião, foram classificadas pelo governo como "correção de distorções" e não cortes de benefícios.

"Não há dúvida que a presidente Dilma vai fazer um ajuste ortodoxo de curto prazo", afirmou o diretor de pesquisas para a América Latina da Goldman Sachs, Alberto Ramos. "O populismo em economia não funciona. Ajuste fiscal e ataque vigoroso à inflação são essenciais para a volta do crescimento."

Apesar de reconhecer os desafios da economia brasileira nos próximos anos, Dilma disse que "colheu resultados positivos na economia". Ela afirmou que em todos os anos entregou a inflação dentro da meta e que a taxa de desemprego está "nos menores patamares já vivenciados na história de nosso país". Nos quatro anos do seu governo, a inflação ficou mais próxima do teto da meta, de 6,5% ao ano, do que do centro de 4,5%. Neste ano, a expectativa do mercado, divulgada pelo Banco Central, é que a inflação oficial feche a 6,38%. No lado do emprego, o número de vagas formas criadas nos 11 meses de 2014 é o menor para o período desde 2003, segundo estatísticas do Ministério do Trabalho.

A menção da redução da dívida líquida em seu mandato no discurso de Dilma chamou a atenção do economista-chefe do Banco Fator, José Francisco de Lima Gonçalves. "A nova equipe econômica deixou claro que sua atenção é com a dívida bruta. Ainda há uma dualidade de sinais de um lado e de outro", disse. A diferença entre os dois indicadores é que a dívida bruta do setor público, ao contrário da líquida, aumentou no primeiro mandato de Dilma. Uma das razões é que pesam sobre a dívida bruta os aportes do Tesouro Nacional nos bancos públicos e nas estatais.

Propostas. Na linha econômica, Dilma também prometeu um governo focado na redução da burocracia, aumento da competitividade e do investimento. Ela disse que enviará ao Congresso uma proposta para criar um mecanismo de transição entre o Simples e os demais regimes tributários.

A presidente também disse que vai lançar a terceira fase do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e a segunda fase do Programa de Investimento em Logística. Outra bandeira anunciada é o estímulo ao mercado privado de crédito de longo prazo, um pleito antigo do BNDES. / MARINA GAZZONI E RICARDO LEOPOLDO

Mais conteúdo sobre: