José Cruz|Agência Brasil
José Cruz|Agência Brasil

Fachin pede que PGR se manifeste sobre ação contra Renan

Ministro do STF dá prazo de cinco dias para que Janot se posicione sobre pedido da PGR de afastamento de Renan

Breno Pires e Rafael Moraes Moura, O Estado de S.Paulo

08 Dezembro 2016 | 17h04

BRASÍLIA - Um dia após o plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) manter Renan Calheiros (PMDB-AL) na presidência do Senado, o ministro do STF Edson Fachin deu cinco dias para que a Procuradoria-Geral da República se manifeste sobre a ação cautelar na qual o procurador-geral Rodrigo Janot pede o afastamento de Renan do cargo por ter se tornado réu em ação penal por peculato.

Os argumentos apresentados pela PGR na ação cautelar para pedir o afastamento de Renan se assemelham aos do ministro Marco Aurélio Mello — aceitos apenas em parte pelo pleno, proibindo que o senador venha a assumir a presidência da República, mas salvaguardando-lhe o cargo de presidente do Senado. No despacho desta quinta-feira, 8, Fachin, relator da ação cautelar, menciona a decisão do pleno. 

Janot pode retirar o pedido de afastamento, mantê-lo nos moldes como foi feito ou ainda formular uma nova fundamentação na ação.

Desobediência. Na sessão, Janot tamém foi notificado pelo ministro Marco Aurélio Mello para que analise se houve crime de desobediência por parte de Renan e dos integrantes da Mesa do Senado, por terem se recusado a cumprir a decisão liminar do afastamento do presidente do Senado. Marco Aurélio disse que a recusa "fere de morte as leis da República".

Apesar de ter mantido Renan no cargo, o STF ainda pode causar mais problemas para o senador, alvo de 11 inquéritos — além da ação penal pelo crime de peculato — que foi aberta na semana passada, dia 1.º, por 8 votos a 3, acolhendo denúncia da PGR de 2013.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.