1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Ex-líder do MST lança frente e promete carnaval vermelho

José Maria Tomazela - Agência Estado

23 Fevereiro 2014 | 17h 25

Frente Nacional de Luta Campo e Cidade (FNL) planeja invasões de fazendas durante o feriado

O ex-líder do Movimento dos Sem-Terra (MST), José Rainha Junior, promete estrear sua nova organização, a Frente Nacional de Luta Campo e Cidade (FNL), com invasões de fazendas em vários Estados brasileiros durante o Carnaval deste ano.

A meta do ''Carnaval Vermelho'', como denominou a mobilização, é ocupar cem propriedades rurais em São Paulo e em outros Estados. A frente foi lançada na sexta-feira, 21, em Presidente Venceslau, no Pontal do Paranapanema, oeste paulista, durante a assinatura de convênio entre o Governo do Estado e a União para arrecadar terras para a reforma agrária na região.

Estavam presentes o ministro do Desenvolvimento Agrário, Pepe Vargas, e o presidente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), Carlos Guedes, além de representantes do governo estadual. Para mostrar força, Rainha levou três mil militantes vestindo camisetas e bonés vermelhos com a marca da frente e ganhou direito a um discurso no evento. "Saímos com os motores aquecidos para fazer um grande Carnaval vermelho", afirmou. Segundo ele, o objetivo é mostrar para o governo da presidente Dilma Rousseff que a reforma agrária precisa avançar.

Apenas no oeste paulista, incluindo o Pontal do Paranapanema, três mil famílias estão acampadas por um lote de terra, segundo ele. Um dos motes do ''Carnaval Vermelho'' será: "Dilma, estamos na lona. Volta Lula". Apesar das críticas ao governo, Rainha disse que o convênio assinado sexta-feira é um avanço. Serão investidos R$ 55,8 milhões para assentar 700 famílias no Pontal num prazo de dois anos. O governo vai retomar fazendas em terras consideradas devolutas, mas pagará pelas benfeitorias. O convênio anterior terminou no primeiro governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e só agora foi retomado.

A nova organização dos sem-terra reúne o MST da Base, dissidência do MST liderada por Rainha, a Confederação Nacional de Agricultores e Empreendedores Familiares (Conafer), que representa 17 federações e centenas de sindicatos, além de outros movimentos sociais. A frente terá o apoio de movimentos urbanos, como os sem-teto. "A luta é pela conquista de uma nova sociedade", disse Rainha.

O líder sem-terra tem um histórico pontuado por processos judiciais envolvendo a questão agrária e coleciona 13 prisões. Na última delas, foi acusado pela Polícia Federal de desviar recursos da reforma agrária. Preso em junho de 2011 pela Operação Desfalque, da PF, ficou nove meses na prisão e foi solto graças a uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF). Ele se diz inocente, mas ainda responde ao processo.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo