1. Usuário
Assine o Estadão
assine
cartel de trens

Ex-diretor da Siemens envolveu políticos

O Estado de S. Paulo

10 Janeiro 2014 | 22h 40

O escândalo do cartel metroferroviário já rendeu o indiciamento de seis pessoas e esbarrou em políticos no ano passado

São Paulo - As investigações da ação de um cartel em São Paulo começaram em 2008, com a suspeita de pagamentos de propina da empresa francesa Alstom a integrantes do governo do Estado para a obtenção de contratos na área de energia. Depois, o inquérito da Polícia Federal que apurava as ilegalidades no setor de energia foi desmembrado e passou a investigar também a ação da Alstom e de outras empresas em contratos de trens e metrô dos governos tucanos em São Paulo.

O escândalo do cartel metroferroviário já rendeu o indiciamento de seis pessoas, entre elas o ex-presidente da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) Oliver Hossepian Salles de Lima, o ex-diretor de manutenção da estatal João Roberto Zaniboni e o consultor Arthur Teixeira.

O caso esbarrou em políticos no ano passado, com acusações feitas pelo ex-diretor da empresa alemã Siemens Everton Rheinheimer e reveladas pelo Estado em 21 de novembro. Rheinheimer prestou um depoimento à Polícia Federal no qual citou o envolvimento de três secretários do governador Geraldo Alckmin (PSDB) com o cartel, entre eles Rodrigo Garcia (Desenvolvimento).

Na quinta-feira passada, o jornal Folha de S. Paulo revelou um trecho de um depoimento do ex-diretor da Siemens prestado ao Ministério Público Federal - órgão que integra a força-tarefa que investiga o escândalo - no qual ele afirma que tratou de propina diretamente com Garcia.

O inquérito do caso está hoje no Supremo Tribunal Federal, já que Garcia e os outros dois secretários de Alckmin - os tucanos Edson Aparecido (Casa Civil) e José Aníbal (Energia) - são deputados federais licenciados e têm direito a foro privilegiado.

cartel de trens