1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Evento em SP reúne Alckmin, Kassab, Skaf e Padilha

BEATRIZ BULLA - Agência Estado

23 Janeiro 2014 | 12h 33

Futuros adversários daqui a alguns meses, quando tiver início oficialmente a campanha eleitoral, os prováveis candidatos ao governo de São Paulo por PSDB, PT, PMDB e PSD se encontraram na manhã desta quinta-feira, 23, na capital paulista. A inauguração do Edifício Dr. Adib Jatene, que passa a integrar o complexo do HCor, é o primeiro evento que reúne Geraldo Alckmin (PSDB), Alexandre Padilha (PT), Paulo Skaf (PMDB) e Gilberto Kassab (PSD) depois que as candidaturas foram assumidas informalmente.

O governador Geraldo Alckmin e o ainda ministro da Saúde, Alexandre Padilha, ficam separados no palco apenas pelo presidente da República em exercício, Michel Temer (PMDB). O candidato de Temer no Estado, o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, também dividiu o palco com os prováveis adversários de urna. Kassab assistiu à cerimônia na primeira fileira de um auditório lotado.

Padilha, mais expansivo, deu um abraço em Skaf ao subir ao palco, já que o presidente da Fiesp foi o primeiro chamado a compor o time das autoridades. Alckmin, mais contido, preferiu um cumprimento simples e entrou seguido de Temer.

Para reforçar o time dos petistas, o prefeito da capital, Fernando Haddad, sentou ao lado do ministro da Saúde e no lado oposto ao de Skaf, o responsável por entrar na Justiça contra o aumento do IPTU proposto pelo prefeito e barrado em decisão liminar.

Ao ser chamado para discursar, Haddad encontrou uma plateia reticente e poucos aplausos. Para um público formado essencialmente por médicos e membros da comunidade síria no País, Haddad, que tem enfrentado baixa popularidade, afirmou que as "opiniões majoritárias nem sempre estão corretas".

"Um estadista nem sempre está com a voz da maioria. Muitas vezes está com a voz da minoria, mas é aquele que nos lembra dos nossos compromissos principalmente com os mais necessitados", afirmou Haddad, se referindo ao médico Adib Jatene como um estadista.

Já o ministro Alexandre Padilha evitou mencionar o seu principal programa à frente do Ministério: o Mais Médicos. Padilha, que assim como Haddad foi recebido com poucas palmas pelo público, não citou o nome do programa. Quase no final de seu pronunciamento, porém, disse que é "importante estar de braços abertos" para receber pessoas de fora do País que vem ao Brasil trabalhar. O ministro disse ainda que é preciso "valorizar a formação médica e o contato com o povo".

O programa Mais Médicos, bem avaliado pela população de acordo com pesquisas de opinião, foi bastante criticado pela comunidade médica quando lançado pelo governo federal.

Padilha lembrou que Adib Jatene diz que "médico acima de tudo tem que ser especialista em gente".

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo