1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Evento debate desafios do jornalismo nas eleições

LEONENCIO NOSSA - Agência Estado

05 Maio 2014 | 20h 09

Os desafios do jornalismo nas coberturas das eleições, da Copa do Mundo e de possíveis protestos de rua serão analisados num encontro amanhã, no auditório do Museu da Imprensa Nacional, em Brasília. Organizado pela Revista Imprensa, o 6º Fórum Liberdade de Imprensa e Democracia analisará a tendência de aumento, em períodos eleitorais, de sentenças judiciais a favor de políticos e partidos para barrar ou adiar a divulgação de informações e de casos de violência contra repórteres em manifestações ou disputas de poder nas grandes e pequenas cidades.

As pressões contra blogueiros e funcionários de jornais e rádios regionais serão temas da conferência de abertura, prevista para começar às 10 horas. O ex-ministro do Supremo Tribunal Federal Carlos Ayres Brito abre o evento com a palestra "Liberdade de imprensa em ano eleitoral. Há limite para o jornalismo?". Ele e outros participantes da conferência discutirão, em especial, assassinatos de jornalistas, especialmente dos mercados de comunicação das regiões Norte e Nordeste, em situações de "acertos de conta" de grupos políticos.

Em seguida, os jornalistas Cristina Serra, da TV Globo, Denise Rothenburg, do Correio Braziliense, Eliane Cantanhede, da Folha de S.Paulo, Milton Blay, da Rádio Bandeirantes, e Ricardo Gandour, diretor de Conteúdo do Grupo Estado, analisam "A cobertura política e a censura prévia nas eleições. A difícil tarefa de conciliar a liberdade de imprensa e os interesses partidários". A Associação Nacional de Jornais (ANJ) registra atualmente seis casos de censura prévia no País.

Logo depois, o Comitê para a Proteção de Jornalistas (CPJ) apresenta um relatório sobre a liberdade de imprensa no Brasil e discutirá um guia prático para cobertura de protestos de rua. O painel contará com a presença de Carlos Lauría e María Teresa Ronderos, do CPJ, Clarinha Glock, da Abraji, e Ricardo Uceda, do Instituto Prensa y Sociedade, Ipys.

O painel "A herança da violência contra jornalistas" encerra o dia de debates. Ivo Herzog, filho do jornalista da TV Cultura Vladimir Herzog, morto pela ditadura em 1975, Tânia Lopes Muri, irmã do produtor da TV Globo Tim Lopes, assassinado por traficantes do Rio, em 2002, e Vanessa Andrade, filha do cinegrafista da Bandeirantes Santiago Andrade, morto numa manifestação no começo deste ano, discutem intimidações, ameaças e mortes de profissionais do setor.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo