1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Evangélicos desistem de presidir a Comissão de Direitos Humanos

Daiene Cardoso - O Estado de S. Paulo

06 Fevereiro 2014 | 20h 01

Petistas demonstraram interesse em reocupar o posto para evitar que ela seja ocupada pelo deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ), que manifestou interesse em suceder Feliciano

Brasília - A bancada evangélica na Câmara dos Deputados desistiu de lutar pelo comando da Comissão de Direitos Humanos na Casa, que em 2013 foi presidida pelo deputado pastor Marco Feliciano (PSC-SP).

O motivo é que o PT já sinalizou que pretende reocupar a presidência da comissão, que em 2013 provocou polêmica com projetos apresentados por Feliciano, apontados como de caráter homofóbico. Os petistas, porém, terão de enfrentar o deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ), que manifestou interesse em presidir a comissão.

Além do interesse do PT em reocupar o posto - o partido tem preferência em indicar nomes por ser a maior bancada da Casa - outro motivo para a desistência da bancada evangélica é que a cúpula da Casa pretende desmembrar a comissão de Turismo e Desporto em duas, o que possibilita que o PSC presida uma comissão.

"É bom que o PT esse ano dê prioridade a essa comissão. O ano passado não deu", disse o líder do PSC, André Moura. Ele, porém, não revelou se o PSC prefere PT ou PP no comando da comissão. "Se for o PT, vamos respeitar a indicação do PT, mesmo que for alguém contrário ao Marco Feliciano. Se recair ao PP, vamos apoiar a indicação do Bolsonaro do mesmo jeito", disse.

Bolsonaro disse nesta quinta-feira, 06, ter o amplo apoio de seu partido para indicá-lo à presidência da comissão e o respaldo da bancada evangélica. "Vou compor com o Feliciano", avisou. Para o deputado, o controle da comissão pode dar ao PP a mesma "visibilidade" que o PSC ganhou com a turbulenta gestão do pastor.