Jefferson Rudy/Agência Senado
Jefferson Rudy/Agência Senado

Eunício diz que Haddad 'não agrega' e que plano B do PT é Jaques Wagner

Presidente do Senado afirma que vota em Lula caso o MDB não tenha candidato próprio ou não o obrigue a votar em outro nome

Renan Truffi e Julia Lindner, O Estado de S.Paulo

08 Fevereiro 2018 | 11h49

BRASÍLIA - Possível aliado do PT no Ceará, o presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), disse nesta quinta-feira, 8, que o único plano B dos petistas, caso o ex-presidente Lula não seja candidato, é o ex-ministro e ex-governador da Bahia Jaques Wagner (PT-BA). Na opinião de Eunício, o nome do ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad "não agrega". "PT só tem um nome. Haddad não agrega. Pode ser intelectual, mas não agrega", disse em conversa com jornalistas na residência oficial do Senado.

Eunício disse também que, caso Lula consiga ser candidato, ele considera votar no petista. Mas explicou que, só fará isso, se o MDB não tiver candidato à Presidência ou não obrigar os membros do partido a votar em determinado nome de aliança partidária.

+++ Eunício diz que votará em Lula se PMDB não lançar candidato em 2018

"Se meu partido não tiver candidatura própria e minha coligação não me obrigar, eu vou votar no outro candidato. Eu fui ministro do Lula. Ele fez a transposição (do Rio São Francisco) e resolveu o problema da água em quatro Estados", disse.

+++ Lula e Temer visitaram Eunício no hospital

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.