1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

‘Estacionamento da CUT’ recebe mais de 100 ônibus

- Atualizado: 19 Março 2016 | 08h 41

Nas redes sociais, internautas que defendem o impeachment da presidente Dilma Rousseff denunciaram o uso da Praça Charles Miller, na região oeste de São Paulo, como “estacionamento da CUT” ou como “QG do lulopetismo”.

“Foi lá que distribuíram a mortadela”, disse um internauta mais exaltado no Twitter. Uma hashtag foi criada no microblog para provocar os manifestantes: #mortadeladay.

A praça no bairro Pacaembu recebeu mais de uma centena de ônibus que teriam sido alugados para levar manifestantes para a Avenida Paulista (no ato de apoio ao governo Dilma). O uso da praça como bolsão de estacionamento é autorizado pela CET.

O local já foi utilizado com o mesmo propósito em outras manifestações ligadas à CUT e ao PT. No dia 13 de março de 2015, por exemplo, a senador Aloysio Nunes (PSDB-SP) usou suas páginas no Facebook e no Twitter para comentar o fato: “Acabo de ver a Praça Charles Miller, em frente ao Pacaembu, lotada de ônibus para recolher os manifestantes terceirizados pela CUT, MST e congêneres em defesa de Dilma”, escreveu o tucano na ocasião.

A assessoria de imprensa da entidade afirmou que não sabe quantos ônibus foram alugados para o evento – e que o aluguel dos ônibus seria uma questão de cada sindicato ou movimento social, não havendo, portanto, nada de ilegal. Um veículo da CET ficou no local durante toda a tarde e início da noite.

Os manifestantes que chegaram no estacionamento já saíram de lá com bandeiras e faixas em apoio à presidente e ao ex-presidente Lula. Eles seguiram da Praça Charles Miller em direção à Avenida Paulista. No trajeto, segundo uma vendedora ambulante da região, o grupo teria sido hostilizado e apoiado na mesma medida. Não houve registro de confusão no local.

Ainda por meio das redes sociais, opositores do governo acusaram o PT e a CUT de “inflarem o evento comprando a participação de sindicalistas”. Falou-se na distribuição de brindes, dinheiro e lanches.

O que aconteceu ali, segundo frequentadores e comerciantes locais, é que muitos se aproveitaram do movimento para vender cerveja, água e churrasquinho. “Nada demais, amigo. Foi como se fosse um jogo de futebol, todo mundo ganhou”, disse Lucas Amaral, ambulante com quase 10 anos de praça.

Na Charles Miller, enquanto o ato acontecia na Paulista, um grupo de motoristas confirmava que os veículos eram alugados pela CUT, mas negaram qualquer tipo “pagamento” aos participantes. “A distribuição de faixas, bandeiras é a coisa normal”, afirmou um motorista.

Os skatistas da praça reclamaram da ocupação provisória do local. “A gente aproveita a praça para relaxar e andar de skate. Hoje (ontem) foi um dia ruim. Nada a ver com política, brou (brother, irmão em inglês)”, comentou Xavier Gusmão, skatista de 27 anos.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX