Esporte dá dinheiro para entidade que contrata consultoria do PC do B

Dirigentes do partido receberam R$ 825 mil de confederação contratada pelo Ministério do Esporte; um deles trabalhou na Esplanada e foi o responsável pela assinatura de 2 convênios com a mesma associação

Leandro Colon, de O Estado de S.Paulo

01 Novembro 2011 | 00h29

BRASÍLIA - Dois dirigentes do PC do B receberam recursos públicos por meio de uma empresa de consultoria, a Casa de Taipa Comunicação Integrada. A empresa foi criada para atuar em projetos ligados ao Ministério do Esporte, a pasta que é comandada pelo partido.

 

Um dos donos da empresa é Júlio César Filgueira, ex-secretário do ministério e filiado ao PC do B. Seu sócio, Oswaldo Napoleão Alves, é também do partido e coordenador do núcleo de ensino e pesquisa da Escola Nacional da legenda comunista.

 

Em agosto passado, a consultoria dos dois comunistas recebeu R$ 825 mil da Confederação Brasileira de Desporto Universitário (CBDU). Júlio Filgueira deixou o ministério em outubro de 2009. Em dezembro criou a Casa de Taipa com Oswaldo Napoleão. Em agosto deste ano a empresa foi contemplada com o contrato.

 

A Casa de Taipa pôs a mão nesse dinheiro ao ser contratada sem licitação para cuidar de um projeto do governador do Distrito Federal, o ex-PC do B e agora petista Agnelo Queiroz. O projeto, com total apoio do Ministério do Esporte, cuida da promoção da candidatura de Brasília para sediar a Universíade de 2017, que são os Jogos Mundiais Universitários - a última edição foi em Pequim, em agosto passado.

 

Em agosto, Agnelo Queiroz e o secretário nacional de Esporte Educacional do Ministério do Esporte, Wadson Ribeiro, estiveram nos Jogos Mundiais Universitários da China para defender a candidatura de Brasília para 2017. O ministério foi quem bancou, com R$ 2 milhões, a participação da delegação da CBDU no evento de Pequim. Desde 2005, pelo menos R$ 13,5 milhões do ministério foram parar na conta da entidade desportiva.

 

A Casa de Taipa foi contratada dias antes de Agnelo e Wadson irem para China. No dia 1.º de agosto a CBDU recebeu R$ 2 milhões do Ministério do Esporte para custear a delegação brasileira que apresentou na China a candidatura de Brasília. Quatro dias depois, a mesma CBDU também celebrou convênio de R$ 2,8 milhões com o governo do DF. No dia 8 de agosto, com R$ 4,8 milhões no cofre, a CBDU contratou a Casa de Taipa, a empresa do PC do B.

Vínculo direto. O repasse de R$ 825 mil para uma empresa de membros do PC do B, em um projeto apoiado pelo Ministério do Esporte, mostra, pela primeira vez, o vínculo direto de integrantes do partido com o destino final de recursos públicos para a área. Reúne também, num mesmo caso, a legenda comunista, o ministério e Agnelo Queiroz, ex-ministro da pasta, ex-filiado ao PC do B - Agnelo saiu em março de 2006 e entregou a pasta a Orlando Silva, também do PC do B.

A engenharia política, administrativa e financeira para criar a Casa de Taipa, processo liderado por um ex-secretário do Esporte, e contratar meses depois a empresa também mostra que o desvio de dinheiro público não se deu, como já revelou a Controladoria-Geral da União (CGU), só por meio de organizações não governamentais (ONGs).

 

Em 2009, quando ainda estava no ministério, Júlio Filgueira assinou dois convênios que somam pelo menos R$ 1,1 milhão com a mesma CBDU, que viria a contratá-lo dois anos depois, agora com dinheiro do governo do DF, como "consultor" por valor semelhante.

 

O site do Ministério do Esporte registra uma foto de Wadson Ribeiro, Agnelo Queiroz e Luciano Cabral (presidente da CBDU) com o chefe do comitê organizador do evento na China em agosto. Na época, o secretário do Ministério do Esporte ressaltou o desejo brasileiro de sediar os jogos de 2017. "O Brasil se empenhará para fazer uma excelente apresentação de Brasília como candidata a cidade-sede dos Jogos de 2017", disse Wadson.

 

Ele só não contou que a empresa escolhida para preparar a candidatura pertence a um de seus antecessores no cargo.

 

O policial militar João Dias Ferreira, autor das denúncias que derrubaram Orlando Silva do ministério na semana passada, acusou Filgueira de participar do esquema de desvios de verbas do programa Segundo Tempo. Ferreira disse ter gravações que comprometeriam o agora consultor de comunicação.

 

Sócios. Segundo dados da Junta Comercial, a Casa de Taipa tem sede em São Paulo e capital social de R$ 10 mil. É formada por duas empresas: FN Gestão Estratégica de Ativos e GEA Gestão Estratégica de Ativos.

 

O sócio de Filgueira na consultoria, Oswaldo Napoleão Alves, é figura conhecida do PC do B paulista. Foi da comissão nacional de organização e do comitê financeiro nas eleições de 2008.

 

No diretório em São Paulo, é ligado ao secretário nacional de Organização, Walter Sorrentino, este casado com Nádia Campeão, presidente do PC do B em São Paulo e cotada para trabalhar com o novo ministro do Esporte, Aldo Rebelo.

 

 

Mais conteúdo sobre:
Esporte PC do B ONG Agnelo Queiroz Ministério

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.