1. Usuário
Assine o Estadão
assine

  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Análise: Esforço do governo em se salvar esbarra em divulgação de áudio de Dilma e Lula

Marco Antonio Carvalho Teixeira*

A possibilidade de Lula ser nomeado ministro começou a ganhar força após a sua condução coercitiva e foi adiante entre o final da semana passada e o início desta após a controversa operação desencadeada pelo Ministério Público de São Paulo.

Apenas a extensão das manifestações contrárias ao governo seria um obstáculo à decisão de Lula de aceitar o cargo. Mas, apesar do gigantismo das manifestações em São Paulo e da repercussão da delação de Delcídio Amaral, que atingiu tanto o governo como parte da oposição, Lula aceitou o convite para ser ministro - mesmo sabendo que tal gesto implicaria no aumento dos protestos de rua.

A justificativa para a nomeação de Lula trazia consigo duas verdades. A primeira é que ele passou a se beneficiar do foro privilegiado. A mudança, se não trava as investigações da Operação Lava Jato, pelo menos retira a apuração das investigações de Curitiba e do juiz Sérgio Moro. Para o governo, significa, no mínimo, um ganho de tempo e um alivio na pressão.

A outra é que ao governo não restava outra aposta. Ao falhar em todas as suas tentativas de organizar a articulação política para evitar o impeachment, Dilma acabou apelando por um caminho que apresentava duas possibilidades limites: a de salvação do governo ou a sua inviabilização definitiva.

Entretanto, o esforço do governo em se salvar parece não ter resistido a um fato novo vindo da Operação Lava Jato: a revelação pela Polícia Federal de conversa entre e Lula e Dilma obtida por meio de grampo telefônico. Na gravação, a presidente combinava o envio de um termo de posse como ministro para que Lula supostamente ficasse livre de ser preso caso houvesse a decretação de sua prisão.

O debate em torno da nomeação de Lula sempre trouxe argumentos muito sólidos acerca dos riscos que isso representaria para ele e ao próprio governo.

Entretanto, o governo optou por nomeá-lo, talvez animado pelas vaias a Alckmin e Aécio no protesto e pelo fato da delação de Delcídio ter alcançado Temer e Aécio.

Agora é esperar de um lado as reações dos movimentos pró-impeachment, que já começam a fazer manifestações de grandes proporções em São Paulo e Brasília, e se Lula e Dilma vão seguir adiante com o plano de salvação do governo.

Uma discussão que será inescapável refere-se à utilização dos grampos telefônicos pela Lava Jato nesse contexto. A controvérsia vai frequentar mesas jurídicas e, certamente, vai envolver o Supremo Tribunal Federal (STF). O cenário não permite prognóstico seguro, mas deixa um profundo mal-estar acerca dos rumos da nossa democracia.

*É professor de Ciência Política na FGV-SP

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX