1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Escalado pelo governo, Wagner se reúne com Temer

- Atualizado: 06 Janeiro 2016 | 13h 06

Ministro da Casa Civil tentara refazer pontes com vice-presidente em encontro nesta quarta-feira

Jaques Wagner e Berzoini estiverem com o ministro
Jaques Wagner e Berzoini estiverem com o ministro

Brasília - Escalado pelo Planalto para tentar refazer a ponte com o vice-presidente, o ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, vai nesta tarde ao gabinete de Temer para uma reunião. O encontro está marcado para as 15h30. 

Wagner telefonou para Temer no início da semana para desejar feliz ano novo e tentar a aproximação. Aliados do vice-presidente disseram que a tendência é que Temer se mantenha afastado das discussões em torno do impeachment.

Com a proximidade da Convenção Nacional do PMDB, prevista para março, o vice-presidente desembarcou ontem em Brasília para tentar negociar a pacificação da bancada da legenda na Câmara e evitar que a disputa também contamine o processo para a sua recondução à presidência da legenda.

Temer planeja iniciar ainda este mês uma série de viagens pelas cinco regiões do País. Oficialmente, a pauta será discutir questões internas do PMDB, mas ele vai aproveitar o giro nacional para se encontrar com lideranças locais e dar uma série de entrevistas à imprensa regional.

Harmonia. No fim do seu primeiro dia do ano em Brasília, o vice-presidente disse que pretende manter uma relação harmoniosa com a presidente Dilma Rousseff e que "pelo menos no começo" do ano é preciso insistir nessa direção.

"Acho que precisamos de muita harmonia. O ano novo enseja, pelo menos no começo, essa ideia de harmonia absoluta, harmonia no país, harmonia no PMDB, nas bancadas e em todos os locais que precisamos", disse, ao deixar a vice-presidência. Temer reiniciou suas atividades em Brasília nesta terça-feira (5) depois de uma temporada de 19 dias de recesso.

Sobre sua relação com Dilma, ontem Temer limitou-se a repetir que espera que ela seja "harmoniosa". No ano passado, o vice-presidente enviou uma carta para Dilma com uma série de reclamações sobre a aliança com o PT, se aproximou ainda mais da ala do PMDB pró-impeachment e causou mal-estar no Palácio do Planalto.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX