1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Erundina deixa PSB para fundar um novo partido

- Atualizado: 09 Março 2016 | 18h 55

Deputada deve se filiar ao Psol e permanecer na sigla até que consiga fundar o Raiz Cidadanista

A deputada federal e ex-prefeita de São Paulo Luiza Erundina (PSB-SP) informou nesta quarta-feira, 9, à bancada do PSB na Câmara que deixará a legenda para se dedicar a criação de um novo partido, o Raiz. A notícia foi antecipada pelo Estado no começo do ano. Como o processo de formação da legenda ainda está no início, ela deve se filiar temporariamente ao Psol.

Chamada de "filiação democrática", a prática foi inaugurada na eleição de 2014 pela ex-ministra Marina Silva, que entrou no PSB enquanto tentava fundar a Rede Sustentabilidade.       

A deputada Luzia Erundina

A deputada Luzia Erundina

 

A deputada fez o anúncio na presença dos deputados, do presidente do PSB, Carlos Siqueira, e do vice-presidente de Relações Governamentais, Beto Albuquerque.

Coordenadora-geral da campanha de Marina Silva à Presidência em 2014, quando a ex-ministra, hoje na Rede Sustentabilidade, concorreu pelo PSB após a morte de Eduardo Campos, Luiza Erundina (PSB-SP) comandou no dia 22 de janeiro no Fórum Social Mundial a plenária de fundação do Raiz Movimento Cidadanista.

O movimento, que também conta com a participação de dissidentes da Rede Sustentabilidade, é inspirado no Podemos, da Espanha, Syriza, da Grécia, e em novos partidos de matriz socialista que despontaram na Europa nos últimos dois anos.

A deputada Luiz Erundina foi uma das fundadoras do PT em 1980 e em 1988 foi a primeira mulher a assumir a prefeitura de São Paulo na mais expressiva vitória do partido até então.

Em 1993, depois do impeachment de Fernando Collor, assumiu o cargo de ministra da Secretaria de Administração Federal no governo Itamar Franco. A decisão abalou sua relação com o PT e ela acabou deixando a sigla para entrar no PT.  

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX