Entre uma polêmica e outra, Clodovil completa 70 anos

O deputado fez aniversário no domingo e comemora apenas com mais próximos

Agencia Estado

21 Junho 2007 | 12h51

O deputado Clodovil Hernandes (PTC) completou 70 anos neste domingo, 17, e está mais da metade de sua vida entre os holofotes da vida pública. Antes de ser eleger deputado, Clô, como é conhecido, já era famoso por seus feitos como estilista e apresentador, que lhe rendeu a fama de ´encrenqueiro´. Trabalhou em várias emissoras de TV e a última, a RedeTV!, demitiu-o em razão de desentendimentos com integrantes do programa Pânico. Desde então, causr polêmica por onde passa se tornou uma de suas marcas registradas. Mas foi na política que os casos de Hernandes tiveram as maiores repercussões. Com o slogan " Brasília nunca mais será a mesma´´, parece que Clô previu a trajetória de seu mandato como deputado federal, eleito com 512 mil votos, em outubro de 2006. Polêmica mensal Envolvido praticamente em uma polêmica por mês, o deputado agitou Brasília e provocou reações diversas. Já na primeira entrevista após sua eleição , o estilista fez jus ao slogan de sua campanha e deu uma declaração que balançou os bastidores da política. "Vou me sujar por alguns milhões de dólares, é claro. Pego esses milhões de dólares e faço a benemerência que eu quiser. E dane-se a retranca. Não tenho filho, não tenho amante, não tenho mulher, não tenho nada. Isso não é desonestidade. Isso é oportunidade. ". Ainda em janeiro, o estilista deu entrevista à revista Flash e teria dito que não pode respeitar um analfabeto, em referência ao presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva. "Ele não poderia ser nem vereador", disse o deputado na ocasião. Em abril, Clodovil se envolveu na maior polêmica do seu mandato. Ao declarar em seu programa de televisão que "as mulheres hoje em dia trabalham deitadas e descansam em pé", ele provocou a ira da ala feminina e o debate sobre o tema foi parar na Câmara. Durante uma sessão na Casa, ele se envolveu em uma rápida discussão com a deputada Cida Diogo, em maio, quando disse que ela não poderia se prostituir porque é "feia". A petista caiu no choro e, acompanhada de parte da bancada feminina da Câmara, foi reclamar com o corregedor da Câmara, deputado Inocêncio Oliveira (PR-PE), que prometeu abrir um processo disciplinar contra Clodovil. Na semana seguinte, internado após uma crise hipertensiva, Clodovil divulgou nota pedindo desculpas pelo comentário, mas não se retratou diretamente à deputada. Mesmo assim, Cida considerou a nota uma ´vitória das mulheres´. As polêmicas de Clodovil atingiram também o campo aéreo. No dia 31 de maio, o deputado foi obrigado a sair de um avião da Gol, no Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek, a pedido do comandante da aeronave por ter se desentendido com uma passageira. Saúde Entre uma polêmica e outra, Clodovil passou por três internações este ano. Nas duas primeiras, ele ficou na Clínica Santé, em Moema. Em 28 de março, o motivo da internação foi uma suspeita de dengue, e em 14 de maio, pressão alta. Na época, exames realizados no Instituto do Coração (Incor) revelaram que o deputado é hipertenso. O deputado ainda se recupera da terceira internação esta semana, após sofrer um AVC. No dia 11 de junho, ele recebeu alta do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, após sete dias internados e se hospedou em um hotel para permanecer em repouso absoluto, seguindo orientações médicas. Segundo a sua assessoria, ele deve voltar para Brasília ainda esta semana, quando termina sua licença médica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.