1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Entidade de juízes vê ‘show midiático’ em operação contra Lula

- Atualizado: 08 Março 2016 | 07h 36

Associação Juízes para a Democracia critica condução coercitiva de Lula: ‘ilegalidade não se combate com ilegalidade’

Brasília - A Associação Juízes para a Democracia criticou ontem o mandado de condução coercitiva aplicado ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na sexta-feira passada. A nota, que não cita o nome de Lula, diz que “não se pode concordar com os shows midiáticos, promovidos em cumprimentos de ordens de prisão e de condução coercitiva” no âmbito da Operação Lava Jato.

O texto sustenta que não se pode combater a corrupção desrespeitando o que determina a Constituição. “Vale, sempre, lembrar que ilegalidade não se combate com ilegalidade e, em consequência, a defesa do Estado Democrático de Direito não pode se dar às custas dos direitos e garantias fundamentais.”

A associação, fundada em maio de 1991 na Faculdade de Direito da USP, se apresenta como “entidade sem fins lucrativos ou interesses corporativistas”.

O fato de o ex-presidente ter sido conduzido gerou debate no meio jurídico. O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal, criticou publicamente a decisão. Outras duas entidades da classe já se manifestaram a favor da operação. Para a Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), que tem Moro com um dos filiados, não houve abuso ou excesso nas medidas tomadas pela Justiça Federal. Já a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) divulgou documento em defesa do Poder Judiciário, sem fazer referência ao episódio envolvendo o ex-presidente Lula.

Operação. Para a Associação Juízes para a Democracia, “todos os atos concretos de corrupção que têm sido revelados e provados ofendem o Estado Democrático de Direito”. A entidade afirma que a Lava Jato, “que ocupa as sempre seletivas manchetes dos jornais brasileiros, é um claro exemplo de uma ação que só poderia ter início no ambiente democrático, no qual se respeitam a independência das instituições e a liberdade de expressão, inclusive para que as respectivas qualidades sejam enaltecidas e os respectivos erros, apontados”.

A entidade também critica o pacote de “10 Medidas Contra a Corrupção”, defendido pelo Ministério Público Federal. Segundo a associação, “a despeito da boa intenção envolvida”, medidas como a limitação ao uso do habeas corpus e a “distorção da noção de trânsito em julgado trazida pela figura do recurso protelatório”, entre outras, “trazem o desalento de carregar, em si próprias, a corrupção do próprio sistema de garantias constitucionais”.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX