1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail
http://topicos.estadao.com.br/operacao-lava-jato

Engenheiro relata visita de ex-primeira dama a tríplex

- Atualizado: 28 Janeiro 2016 | 03h 00

Responsável por reforma de apartamento em condomínio no Guarujá que seria de Lula diz que Marisa Letícia foi ao local com ex-presidente da OAS

O engenheiro Armando Dagre, sócio da Talento Construtora, disse ao Ministério Público de São Paulo que “praticamente” refez o triplex 164-A, no condomínio Solaris, no Guarujá, no litoral de São Paulo – imóvel que a Promotoria suspeita pertencer ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ele disse que não teve nenhum contato com Lula, mas com a ex-primeira-dama, Marisa Letícia.

Dagre afirmou que, um dia, estava reunido com o representante da OAS no apartamento “quando Marisa adentrou o apartamento com um rapaz e dois senhores” e que depois soube que os acompanhantes da mulher de Lula eram um filho do casal, Fábio Luiz, um engenheiro da OAS e o ex-presidente da empreiteira Léo Pinheiro – condenado na Lava Jato a 16 anos de prisão por corrupção ativa e lavagem de dinheiro.

“Em verdade tomou um susto quando vislumbrou a dona Marisa Letícia ingressando no meio da reunião existente no interior do apartamento”, diz o depoimento de Dagre. A reforma, contratada pela OAS, alvo da Operação Lava Jato, custou R$ 777 mil, segundo Dagre. Os trabalhos foram realizados entre abril e setembro de 2014.

O advogado Aloísio Lacerda Medeiros, constituído por Dagre, confirmou que seu cliente estava no apartamento quando Marisa, o filho Fábio e Léo Pinheiro chegaram. Segundo Medeiros, “nada foi dito” sobre a quem pertenceria o imóvel.

Dagre disse que o contrato com a OAS para reforma do tríplex incluiu novo acabamento, além de uma outra piscina, mudança da escada e instalação de elevador privativo que custou R$ 62,5 mil. Ele disse que a ex-primeira-dama “os cumprimentou”. “Ela estaria conhecendo o apartamento, tendo, inclusive, ressaltado a vista (para o mar).”

As informações sobre o depoimento de Armando Dagre foram divulgadas no Jornal Nacional, da TV Globo.

‘Flores’. A Promotoria também tomou o depoimento do zelador José Afonso Pinheiro, que trabalha no condomínio desde 2013. Questionado se Lula esteve no prédio, o funcionário confirmou. Segundo ele, Lula chegava normalmente em dois carros com seguranças que “prendiam” o elevador para a família, o que provocava reclamações de outros moradores.

O zelador relatou que a OAS “limpava o prédio, colocava flores para receber a família do ex-presidente”. Segundo ele, um funcionário da empreiteira lhe pediu que não falasse que o apartamento era de Lula e da mulher, “mas da OAS”. Depois que as investigações sobre o apartamento foram tornadas públicas a família de Lula não retornou ao prédio, segundo o zelador.

Em 2006, quando se reelegeu presidente, Lula declarou à Justiça eleitoral possuir uma participação em cooperativa habitacional no valor de R$ 47 mil. A cooperativa é a Bancoop que, com graves problemas de caixa, repassou o empreendimento à OAS. A Polícia Federal e a Procuradoria da República suspeitam que a empreiteira pagou propinas a agentes públicos em troca de contratos da Petrobrás.

A investigação sobre o apartamento que seria de Lula estão sendo realizadas pelo promotor de Justiça Cássio Conserino, do Ministério Público paulista. O promotor diz ter indícios de que houve tentativa de esconder a identidade do verdadeiro dono do tríplex, o que pode caracterizar crime de lavagem de dinheiro.

Fisco. O advogado Cristiano Zanin Martins, que representa o ex-presidente Lula, negou que o petista ou familiares dele sejam os donos do tríplex. Ele relatou que a família comprou uma cota de um projeto da Bancoop. A cota foi paga e declarada ao Imposto de Renda pelo petista. O advogado disse que “não tem a menor ideia” de quem reformou o imóvel.

Zanin reiterou que o apartamento “não é do ex-presidente”. Esclareceu que Lula tinha uma cota do projeto da Bancoop e, quando o empreendimento foi transferido para outra empresa, tinha duas opções: pedir o resgate da cota ou utilizá-la para compra do imóvel no condomínio Solaris. A família fez a opção pelo resgate.

A OAS não se manifestou. 

http://topicos.estadao.com.br/operacao-lava-jato
Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX