1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Empresário diz que Delcídio repetiu 'fantasias' para 'comprar' liberdade

- Atualizado: 16 Março 2016 | 15h 42

Citado pelo senador Delcídio Amaral em delação premiada, divulgada na íntegra nesta terça-feira, Milton Lyra afirmou que petista não tem conhecimento de 'qualquer fato concreto'

Brasília – Acusado pelo senador Delcídio Amaral (PT-MS) de ser operador da bancada do PMDB no Senado em estatais e fundos de pensão, na delação premiada homologada no Supremo Tribunal Federal (STF), o empresário Milton Lyra emitiu nota nesta quarta-feira, 16, “repelindo rigorosamente as suposições, inferências e suspeitas” feitas pelo parlamentar.

“Ele nada mais fez que repetir notícias e fantasias publicadas na imprensa, certamente com o objetivo de comprar sua liberdade”, afirmou Lyra. “O próprio senador afirmou não ter conhecimento de qualquer fato concreto que possa fundamentar suas ilações, o que faz da difusão dessas inverdades um ato criminoso”, completou.

De acordo com Delcídio, os principais “operadores” da bancada do PMDB no Senado seriam Jorge Luz e Milton Lyra. Esse último, chamado pelo delator de “homo brasiliensis”, teria grande atividade junto a fundos de pensão como o Postalis, dos Correios, cuja direção havia sido indicada por Renan Calheiros (AL) e Edison Lobão (MA).

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX