Carol Góes
Carol Góes

Em Paris, Doria diz que é 'prefeito global' para justificar agenda de viagens

Em primeiro evento na capital francesa, prefeito de São Paulo voltou a ser questionado pela imprensa se intenso roteiro de viagens está vinculado à vontade de ser candidato à Presidência

Pedro Venceslau, Enviado especial

01 Setembro 2017 | 13h18

PARIS - Em seu primeiro evento na capital francesa, nesta sexta-feira, 1, o prefeito João Doria (PSDB) se definiu como "prefeito global" e afirmou que não pretende reduzir seu ritmo de viagens. O tucano foi questionado por jornalistas locais e correspondentes se a intensa agenda de viagens nacionais e internacionais ocorre na condição de pré-candidato à Presidência da República em 2018. Doria negou, mas deixou em aberto sua intenção de concorrer. 

"Viajo e continuarei a viajar. Sou um prefeito global. Quem gosta de política miúda e personalista é o PT. Prefiro fazer política mais ampla", disse o tucano, após fazer uma palestra no Global Positive Fórum.

No começo de seu discurso no evento em Paris, Doria foi interrompido por uma manifestante brasileira que ergueu um cartaz escrito "Fora Temer" e gritou em francês palavras de ordem "contra o golpe de estado no Brasil". Nos arredores do local onde ocorre fórum, um pequeno grupo de brasileiros  distribuiu um panfleto em francês chamando o tucano de "higienista" e criticando a ação da Prefeitura na Cracolandia. 

Durante coletiva de imprensa, duas brasileiras questionaram o prefeito como se fossem jornalistas. Doria chegou a discutir com as duas: "A senhora precisa estar melhor informada", respondeu o tucano. 

De acordo com o prefeito, o presidente da França virá para a capital paulista em novembro de 2019, para a abertura da próxima edição do Global Positive Forum.

Após se reunir nessa sexta-feira o presidente da França, Emmanuel Macron, o prefeito João Doria já tem outra viagem agendada. No dia 19, ele vai a Buenos Aires se encontrar com Maurício Macri, presidente da Argentina. Doria disse hoje que Macron, Macri e Michael Bloomberg, ex-prefeito Nova York,  são "inspirações".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.