Paulo Fonseca/EFE
Paulo Fonseca/EFE

Em Minas, Lula diz ‘perdoar os golpistas’

Petista discursou em ato em BH ao lado da presidente cassada Dilma Rousseff e do governador Fernando Pimentel, que foi vaiado

Leonardo Augusto, ESPECIAL PARA O ESTADO , O Estado de S.Paulo

31 Outubro 2017 | 00h09

BELO HORIZONTE - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta segunda-feira, 30, em Belo Horizonte, que está “perdoando os golpistas”, em referência aos políticos que apoiaram o processo de impeachment da presidente cassada Dilma Rousseff no ano passado.

“Toda as vezes em que a direita nesse País resolveu usurpar o poder, a primeira coisa que fez foi destruir moralmente seus adversários. Foi assim com Getúlio (Vargas), depois com Juscelino Kubitschek, depois com Jango (João Goulart). Sou mais paciente que Getúlio e João Goulart e talvez mais que JK, que tentaram tirar três vezes e ele sempre perdoou. Estou perdoando os golpistas desse País”, afirmou o ex-presidente, em ato na Praça da Estação, na região central da capital mineira, durante o encerramento da caravana que percorreu 20 cidades do Estado.

Condenado pelo juiz federal Sérgio Moro, Lula disse ainda não saber se terá condições de disputar a eleição presidencial do ano que vem. O petista discursou ao lado de Dilma e do governador de Minas, Fernando Pimentel (PT), que foi vaiado durante o ato.

Lula afirmou ainda que uma das eleições vencidas pelo PT foi contra “um filhinho de papai aqui de Belo Horizonte”, disse em alusão ao senador Aécio Neves (PSDB), que governou o Estado por dois mandatos e foi derrotado por Dilma em 2014.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.