1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Em MG, Dilma abre agenda de viagens e anuncia R$ 2,5 bi para mobilidade

Francisco Carlos de Assis e Beatriz Bulla

17 Janeiro 2014 | 12h 55

Presidente escolhe como destino para primeiro deslocamento de 2014 território de seu provável adversário, senador Aécio Neves (PSDB); no ano passado, 37 das 82 viagens foram para o Sudeste, 8 delas para Minas

São Paulo - A presidente Dilma Rousseff fez nesta sexta-feira, 17, sua primeira viagem nacional do ano para Belo Horizonte (MG), onde anunciou o investimento de R$ 2,5 bilhões em obras de mobilidade urbana na região. No ano passado, Dilma esteve por oito vezes no Estado, também reduto do senador tucano Aécio Neves (PSDB), seu provável adversário nas eleições presidenciais.

Das 82 viagens feitas no ano passado, 37 foram para o Sudeste. O número de deslocamentos superou os registros de 2012 e 2011. Nas visitas ao solo mineiro, Dilma já havia anunciado investimentos em obras de mobilidade urbana e de infraestrutura. À época, a Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República informou que os deslocamentos são programados de acordo com a disponibilidade de agenda da presidente.

Nesta sexta, Dilma voltou à capital mineira para anunciar recursos destinados a transporte coletivo e pavimentação de trechos de rodovias federais. Durante seu discurso, a presidente relembrou a série de visitas já feitas ao Estado, resultado, segundo ela, da parceria estabelecida entre os governos federal e estadual.

"Eu sou presidenta de todos os brasileiros. Agora, como presidenta de todos os brasileiros, eu não posso fazer discriminação por partido político, por time de futebol, por religião", disse ela, ao lado do governador de Minas Gerais, Antonio Anastasia (PSDB).

Dilma destacou a relação entre os governos e afirmou ter havido avanços na destinação dos recursos federais. "Somos um País que amadureceu. Um País que não aceita, e o povo não aceita, os processos tradicionais em que os recursos públicos eram vistos como propriedades dos governantes", afirmou.