Em jantar sobre reforma política, Janot vira assunto principal

Segundo um parlamentar que não costuma ter papas na língua, o sentimento geral é de que Janot 'se f...'

Isadora Peron, O Estado de S.Paulo

05 Setembro 2017 | 03h25

BRASÍLIA - Em jantar organizado para discutir reforma política nesta segunda-feira, 4, o assunto principal foi o procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Segundo deputados da base governista, houve consenso de que a decisão de rever o acordo de delação premiada dos empresários do grupo JBS abalou a credibilidade de Janot e favoreceu o presidente Michel Temer.

Nas palavras de um parlamentar que esteve no encontro, e que não costuma ter papas na língua, o sentimento geral é de que Janot “se f...”.  O jantar, realizado na residência oficial do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), reuniu líderes da base e da oposição. A toda hora, a discussão sobre a reforma política era interrompida por notícias que chegavam aos celulares dos deputados. 

A mais comentada foi uma publicada pelo site da revista “Veja”, que diz que a gravação que poderá levar à anulação da delação premiada dos irmãos Joesley e Wesle0y Batista faz menção a quatro ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

Ao deixar o encontro, o líder do governo, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), disse que não iria se pronunciar porque precisava analisar melhor o pronunciamento do procurador-geral da República, mas ironizou a situação. "Vão ter que fazer um novo filme da Lava Jato", em referência ao longa lançado na semana passada sobre a operação. 

Mais cedo, ainda no plenário da Câmara, deputados da base avaliaram que a decisão de Janot de abrir uma investigação que poderá a levar à anulação da delação dos empresários vai enfraquecer uma eventual segunda denúncia contra Temer. Em seu pronunciamento, no entanto, Janot fez questão de ressaltar que a decisão não invalidava as provas colhidas durante o processo e não interferiria na apresentação de novas denúncias.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.