Reprodução/Facebook João Doria
Reprodução/Facebook João Doria

Entrevistado por Doria, Suplicy canta e pede que prefeito de SP pare de xingar Lula e Dilma

"Você acha admissível que uma pessoa se refira a uma mulher como 'anta'?", questionou o vereador. "Não é a melhor referência", admitiu o prefeito

Daniel Weterman e Bibiana Borba, O Estado de S.Paulo

11 Agosto 2017 | 00h43

SÃO PAULO - Convidado de um programa transmitido ao vivo pelo prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), na noite desta quinta-feira, 10, o vereador Eduardo Suplicy (PT) pediu ao tucano que pare de xingar os ex-presidentes petistas Dilma Rousseff e Luiz Inácio Lula da Silva. Doria, ao se justificar, afirmou que tem divergências com os líderes do PT e garantiu que a intenção não é incitar o ódio.

Suplicy participou do programa Olho no Olho, no qual, semanalmente, uma personalidade é entrevistada por aproximadamente uma hora pelo prefeito em seu perfil pessoal no Facebook. Depois de divergências e momentos de descontração, Doria ainda pediu uma "palinha" musical ao parlamentar. Suplicy encerrou cantando a clássica Blowin' in the Wind, de Bob Dylan.

Antes de conversarem sobre temas da administração municipal, Suplicy disse que precisava fazer uma pergunta a Doria. "Você acha admissível que uma pessoa se refira a uma mulher, como as que estão aqui nos assistindo, como 'anta'?", questionou o vereador. "Não é a melhor referência", admitiu o prefeito, justificando que fez isso "em certos momentos de bom humor". "Mas isso não tira o meu espírito crítico à ex-presidente Dilma Rousseff", ponderou.

No dia 15 de julho, Doria usou o microfone em um evento em São Bernardo do Campo (SP) para chamar Lula de "mentiroso", "sem vergonha" e Dilma de "anta". Na conversa feita no gabinete de Doria, Suplicy afirmou que a forma como o tucano dirige ataques a Lula e Dilma tem provocado reações como o lançamento de um ovo em sua direção em Salvador, na segunda-feira, 7, e pode prejudicar a relação dele com vereadores da oposição na capital paulista. Suplicy destacou, porém, que não estava de acordo com a manifestação contra Doria na Bahia. "Esse procedimento de incitar inclusive o ódio entre as pessoas acaba não fazendo bem não a você, [mas] ao País, aos brasileiros", disse o vereador petista.

Suplicy chegou a citar a relação de Doria com o presidente Michel Temer (PMDB), lembrando que o peemedebista é alvo de um inquérito na Justiça e recebe tratamento diferente do prefeito. "Só que no caso do presidente Michel Temer, você vai lá e o trata com o maior respeito e, mais do que isso, com toda a amabilidade", afirmou Suplicy. Em clima amistoso, Doria afirmou que tem respeito por Suplicy e que acredita em sua honestidade, diferente do que acha do ex-presidente Lula. O tucano rebateu as críticas do vereador dizendo que quem incita o ódio são manifestantes vinculados ao PT, ao PCdoB e ao PSOL.

"Nem vou perguntar se você acredita na honestidade do presidente Lula, nem quero lhe proporcionar esse constrangimento. Eu não acredito. Mas não procuro fazer isso de forma a incitar o ódio nem propor agressões", alegou Doria. "Nunca pedi que jogassem ovos, que atacassem nem recepcionassem com rojões, como fui recepcionado em Salvador.".

Suplicy não perdeu a oportunidade de fazer cobranças locais ao chefe do Executivo paulista. Ele pediu que Doria considere a realização de um plebiscito sobre as privatizações de parques e do Estádio do Pacaembu, já anunciadas pela Prefeitura. O vereador disse ter visitado a ocupação da Câmara Municipal de São Paulo por manifestantes, que contesta principalmente o pacote de desestatização de Doria e, por isso, levou a reivindicação ao prefeito durante a entrevista.

Já encerrando a conversa, Doria admitiu que poderia 'avaliar a ideia' do plebiscito se Suplicy mostrasse suas aptidões como cantor. "Agora sim vou cantar", aceitou o petista, iniciando a letra de Blowin' in the Wind à capela e interpretando a letra com gestos. "How many years can some people exist - brazilian people! - before they're allowed to be free?" (em tradução livre: "Quantos anos algumas pessoas terão de existir - os brasileiros! - antes de terem permissão para ser livres?"), cantou. Ao encerrar, foi aplaudido pelo prefeito e pela equipe de gravação.

Planos para 2018. Ainda nesta quinta-feira, Doria teve encontro com o presidente Michel Temer (PMDB), em São Paulo, e foi praticamente convidado a se candidatar à Presidência pelo PMDB. Depois, disse ficar feliz com o interesse de outros partidos, mas garantiu não ter intenção de deixar o PSDB.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.