1. Usuário
Assine o Estadão
assine
Eleições 2014

Em convenção tumultuada, PMDB do Paraná decide lançar Requião ao governo

Edson Fonseca - O Estado de S.Paulo

20 Junho 2014 | 17h 17

Apoiadores do senador fizeram movimentação ruidosa na entrada da convenção e chegaram a agredir um militante que defendia a coligação

CURITIBA- O senador Roberto Requião será candidato pelo PMDB ao governo do Paraná. A decisão ocorreu realizada em Curitiba na manhã de sexta-feira. O grupo que defendia a candidatura própria venceu a votação por 319 a 250 do grupo que defendia a aliança com o PSDB para apoiar a reeleição do atual governador Beto Richa. Os apoiadores de Requião, em maior número no Clube Urca, local da convenção, fizeram movimentação ruidosa na entrada da convenção e chegaram a agredir um militante que defendia a coligação.

O resultado surpreendeu o mundo político paranaense, que tinha como quase certa a vitória pela coligação com o PSDB, comandada pelos deputados estaduais peemedebistas. O apoio a Beto Richa parecia ainda mais certo depois que o ex-governador Orlando Pessuti (ex-aliado e atual desafeto de Requião), abriu mão de pleitear a candidatura ao governo para apoiar Richa.

A entrada de Requião na disputa leva a eleição no Paraná para uma grande possibilidade de segundo turno. Até então, apenas dois candidatos tinham potencial de grandes votações - o atual governador Beto Richa (PSDB) e a ex-ministra da Casa Civil e senadora, Gleisi Hoffmann (PT).

Requião tenta ser governador do Paraná pela quarta vez. O primeiro mandato foi entre 1991 e 1994, os outros dois foram 2002 - 2006 e 2007 - 2010. Sua trajetória política é marcada por polêmicas, como a proibição de plantação de soja transgênica no Paraná e longas batalhas judiciais contra as concessionárias de pedágio no Estado. Além disso, sua personalidade é marcada por encontros truculentos com jornalistas, como no caso em que tomou o gravador de um repórter no Senado, em Brasília.

Curiosamente, sua chapa deve contar com o apoio de um sócio de uma das concessionárias de pedágio do Paraná. O deputado federal Marcelo Almeida (PMDB) - filho do empreiteiro CR Almeida, já falecido - como candidato ao Senado.

Discurso inflamado. Durante a convenção, Requião fez discurso inflamado contra os apoiadores da tese da coligação com o PSDB. Os acusou de querer "vender o velho MDB de guerra". O senador acusou ainda o governador Beto Richa de ter recebido R$ 3 milhões das concessionárias de pedágio para retirar as 28 ações que foram movidas contra as empresas durante a sua gestão. "Beto Richa foi o pior governador que o Paraná já teve".

O ex-governador Orlando Pessuti, tentou dar um discurso resposta, acusando Requião de não deixar que outras lideranças seja, candidatos pelo PMDB, mas foi interrompido pelas vaias dos militantes.

Eleições 2014

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo