Em clima de ‘Lula livre’, PT define chapa paulista em encontro em São Paulo

Em clima de ‘Lula livre’, PT define chapa paulista em encontro em São Paulo

Ex-prefeito de São Bernardo, Luiz Marinho, será candidato a governador e as duas vagas para o Senado ficarão com o vereador Suplicy e o ex-secretário municipal Jilmar Tatto

Paula Reverbel e Camila Turtelli, O Estado de S.Paulo

24 Março 2018 | 19h55

Em clima de campanha em defesa da liberdade e aprovação da candidatura do ex-presidente Lula, o diretório estadual do PT em São Paulo definiu sua chapa paulista para a disputa deste ano.

++ PT vai disputar governo de São Paulo 'sozinho ou com alianças', diz Marinho

Como o esperado o presidente estadual do PT, Luiz Marinho, se firmou como pré-candidato petista ao governo de São Paulo. Ele derrotou o ex-prefeito de Guarulhos Elói Pietá por 660 votos (79%), contra 175 (21%) - o quorum foi menor do que o esperado inicialmente de 1.200 delegados.

Além dele, o vereador Eduardo Suplicy foi aclamado, quase que por unanimidade, como candidato a uma das duas vagas do partido para disputa do Senado. A segunda vaga ficará com o ex-secretário municipal de Transportes Jilmar Tatto que derrotou a vereadora Juliana Cardoso, com 489 votos (58%) contra 350. Porém, dependendo das coligações esta segunda vaga pode ir ainda para um candidato de um partido coligado.

++ Após confrontos durante caravana no Sul, Lula diz que petistas vão 'retribuir'

Palavras de ordem em favor da candidatura de Lula permearam toda discussão em torno das diretrizes eleitorais e todos os discursos dos pré-candidatos. Marinho, durante seu discurso, falou da “certeza absoluta da possibilidade de derrotar os tucanos no Estado de São Paulo” e da “defesa intransigente de Lula livre”.  Ele também convocou a militância a protestar no dia 3 de abril, em defesa do petista. Um dia antes disso haverá manifestações no Rio de Janeiro e, no dia depois, 5, em Brasília, segundo ele.

Antes mesmo de defender sua candidatura ao Senado, a vereadora Juliana disse que o País vive um momento de “retirada de direitos” e também levantou a bandeira pela disputa de Lula.

Durante o evento, os petistas também estiveram alinhados em seus discursos em torno das movimentações da Justiça. Eles defendem que as ações abstratas sobre prisão após o fim de todos os recursos sejam julgadas antes do caso concreto de Lula. A previsão é que o habeas corpus do presidente tenha o julgamento retomado no dia 4.

Na disputa paulista, o PT entra enfraquecido. Além de contar com menos prefeituras neste ano, há pouca coligações firmadas até este momento. Se não fechar alianças, o PT calcula que terá pouco mais de um minuto do tempo de televisão dedicado para as campanhas. Já Márcio França (PSB), que vai assumir o governo do Estado no próximo dia 7 com a renúncia de Geraldo Alckmin (PSDB), diz contar com PSB, PR, PPS, PHS, PSC, Pros, Avante, Solidariedade e Podemos. Espera ainda anunciar nos próximos dias a adesão de PV, PMB e PRP.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.