J.F. Diorio/Estadão
J.F. Diorio/Estadão

Em carta, Lula diz que pensou em processar Hélio Bicudo e fala em rancor do ex-petista

Em entrevista ao programa Roda Viva, na semana passada, fundador do PT afirmou que ex-governante enriqueceu de forma ilícita e 'se corrompeu e corrompe a sociedade brasileira como ela é hoje através da sua atuação como presidente da República'

Carla Araújo , O Estado de S. Paulo

05 Outubro 2015 | 09h11

BRASÍLIA - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva enviou uma carta ao filho do jurista Hélio Bicudo, um dos signatários do principal pedido de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff protocolado na Câmara dos Deputados, afirmando que pensou em processar o jurista, mas que desistiu por respeito à sua família. "Nos últimos anos, tenho recebido em silêncio os sucessivos ataques do doutor Hélio Bicudo, pontuados de rancor", diz um trecho. "Eu até pensei em tomar medidas judiciais a propósito dessas injúrias. Mas não o farei em atenção a você e a seus familiares. Eu e seu pai somos cristãos e ele tem consciência de que Deus sabe que ele está mentindo." Em entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura, na semana passada, Bicudo afirmou que Lula enriqueceu de forma ilícita e "se corrompeu e corrompe a sociedade brasileira como ela é hoje através da sua atuação como presidente da República".

A carta de Lula é uma resposta a José Eduardo Pereira Wilken Bicudo, que, em recente entrevista, se posicionou contrário ao pai e afirmou que o jurista, de 93 anos, estaria sendo usado por interessados em derrubar a presidente. O jurista foi candidato a vice de Lula em sua primeira disputa eleitoral, para o governo de São Paulo, em 1982. Depois disso, foi deputado federal pelo PT e ocupou vários cargos na sigla, tendo sido vice-prefeito e secretário de Assuntos Jurídicos de Marta Suplicy na Prefeitura de São Paulo. Seu rompimento com o partido ocorreu em 2005, após a divulgação do caso do mensalão.

Lula cita sua longa convivência com Bicudo e destaca que, apesar de hoje divergirem sobre alguns temas, é preciso manter o "respeito e consideração pelas pessoas". "Espero que as deliberadas injustiças que o doutor Hélio Bicudo hoje comete não ofusquem a contribuição que ele já deu ao Estado de Direito no nosso país", diz. "Mas a calúnia rancorosa e sua exploração pela imprensa servem para nos alertar sobre a necessidade de limites morais na disputa política", completa.

Apesar de ressaltar a importância da trajetória de Bicudo, Lula diz que o jurista "ultrapassou todos os limites" ao atacar "frontalmente minha honra pessoal e fez acusações caluniosas, ofensivas e desprovidas de qualquer fundamento". "Diante desses ataques, não posso permanecer calado, em respeito à minha família, aos meus companheiros e aos que sempre compartilharam conosco a luta por um Brasil melhor e mais justo."

O ex-presidente diz que o atual comportamento de Bicudo faz com que ele "se apequene". "São infâmias proferidas por uma pessoa que, no passado, destacou-se pela defesa da lei e da verdade. E que tristemente se apequena aos olhos do presente e do futuro."

Mais conteúdo sobre:
Lula Hélio Bicudo carta

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.