1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Mensalao

Em audiência na Justiça italiana, Pizzolato afirma ser um 'preso político'

Jamil Chade - O Estado de S. Paulo

07 Fevereiro 2014 | 15h 24

O defensor do ex-diretor do BB, Lorenzo Bergami, relatou que diante do juiz o brasileiro disse, na primeira vez em que se manifesta desde a condenação, que o processo não foi administrado de uma forma correta

Bolonha - - Henrique Pizzolato será um "preso comum", afirma seu próprio advogado, Lorenzo Bergami. Ao deixar o tribunal em Bolonha, depois da audiência em que a Justiça italiana negou o pedido de liberdade do ex-diretor do Banco do Brasil e que decidiu manter o brasileiro em detenção, o advogado italiano explicou a situação de seu cliente à imprensa brasileira. Pizzolato declarou ao tribunal que é inocente no caso do mensalão e que sofreu no Brasil "um processo político". Eis os principais trechos da entrevista:

Qual foi o resultado da audiência?

Pizzolato vai permanecer na penitenciária de Módena até que eventualmente se modifique a medida cautelar ou terá de esperar a medida da extradição.

Porque o tribunal negou o pedido de liberdade provisória?

Não sei. Foi publicado um procedimento com uma motivação muito dura. Provavelmente pelo perigo de fuga. Não falamos de extradição. Ele apenas negou que aceitaria a extradição. Eu pedi que não fosse aplicada nenhuma medida cautelar ou que, se tivesse de ser aplicada, que fosse prisão domiciliar. 

Pizzolato se pronunciou?

Sim, Pizzolato falou. Explicou as razões pelas quais ele veio do Brasil e que, segundo ele, o processo não foi administrado de uma forma correta e que era um processo político. E disse que não cometeu o que foi dito que ele cometeu. Ele disse que se trata de um processo político, mas vocês tem que entender que a natureza de um ato político é um conceito jurídico complexo. A primeira coisa que disse é que não quer ser extraditado.

Ele explicou os documentos falsos?

Ele não explicou nada disso porque não tem relação com a jurisdição italiana.

O que ocorre agora?

O Ministério da Justiça brasileiro tem que transmitir ao Ministério da Justiça da Itália uma série de atos que justifiquem um pedido de extradição. Tem um prazo e 40 dias que precisa ser respeitado e ao final do qual terá uma audiência na Corte de Apelação quando se decidira se o pedido de extradição pode ser pelo menos aceito.

Ele fica na prisão até a chegada dos documentos?

Não necessariamente. Ele vai permanecer até que o juiz julgue suficiente a medida cautelar. Ele pode até sair antes. Pode ser que haja uma mudança na medida cautelar. Pode ser que a medida cautelar seja substituída.

E o que o sr. vai fazer para mudar isso?

Não sei. Temos que refletir um pouco. O pedido de extradição ainda não chegou.

O que o juiz falou para justificar?

Justificou dizendo que há o perigo de fuga e portanto ele pensa que seja adequada permanecer na prisão.

O sr. falou sozinho com Pizzolato?

Certamente. Ele está muito sereno, muito tranquilo e tem muita confiança na Justiça italiana.

Quanto tempo acha que ele vai ficar na prisão?

Não sei. Pode ficar um mês, dois meses ou seis meses.

Ele poderia sair em uma semana?

Dificilmente.

Porque se pode mudar uma medida cautelar?

Porque o juiz tem que validar o argumento de medida cautelar. E com o decorrer do tempo, ou com a aparecimento de nova situação, ele pode mudar. Se num dado momento é necessária a custódia na prisão, passado um certo tempo e à luz, quem sabe, de novos elementos, que sejam apresentados ao juiz, pode provocar uma mudança na exigência de medida cautelar.

A juíza explicou porque ela pensa que há motivo de fuga?

Não especificou, mas ficou bem claro no discurso da juíza que ele fugiu do Brasil e ele tinha um documento falso. A razão foi essencialmente essa.

Os documentos falsos tiveram uma influência?

Talvez não tenha sido decisivo, mas teve uma influência.

Quais são os próximos passos?

Agora vamos avaliar e ver se conseguiremos alterar ou ter a substituição da medida cautelar. É prematuro dizer agora (o que vamos fazer). Precisamos pensar um pouco.

Como está Pizzolato?

Ele esta muito tranquilo em relação à situação do cárcere. Não está em isolamento nem tem medidas punitivas. Ele é um prisioneiro comum. Ele está absolutamente tranquilo. Sereno, lúcido e respondeu detalhadamente todas as perguntas que foram feitas.

Ele estará sozinho numa cela?

Não.

Com quantas pessoas?

Talvez com duas ou três. Não são celas individuais. Com a situação das prisões na Itália é difícil ter uma cela para uma pessoa.

E as visitas da família?

Penso que sejam de seis a oito visitas por mês.

A esposa de Pizzolato falará com a imprensa?

Ela tem a intenção de conceder entrevista à imprensa italiana: aos italianos, sim. Aos jornalistas brasileiros ela não tem nenhuma intenção de falar. O motivo é que ela não está contente com o que escreveu a imprensa brasileira no curso do processo. É uma escolha dela. Ela me disse apenas: "eu com a imprensa brasileira não tenho intenção de dar nenhuma declaração."

O sr. tem ideia da estratégia de defesa?

Não, é muito cedo. Temos que pelo menos esperar que o Brasil envie um ato porque não mandou nada até agora. Temos somente o mandado de prisão internacional.

O sr. disse que ele estava sereno, mas ele não ficou furioso com essa decisão?

Não. Muito tranquilo, não puxou os cabelos.

 

 

Mensalao