1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Em aniversário de Tietê, Temer defende união entre os três poderes para dar fim à crise

- Atualizado: 06 Março 2016 | 15h 19

"Com desarmonia entre os três poderes, há uma grave desobediência à Constituição", declarou o vice-presidente

O vice-presidente Michel Temer (PMDB-SP)
O vice-presidente Michel Temer (PMDB-SP)

O vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB), esteve neste domingo, 6, em um evento de comemoração dos 174 anos de Tietê, sua cidade natal, no interior de São Paulo. Temer discursou e presenciou a inauguração da Galeria Michel Temer, na Escola Estadual Plínio Rodrigues de Moraes, onde estudou até os 16 anos, mas não respondeu a perguntas de jornalistas.

Temer usou a maior parte de seu discurso para celebrar o aniversário da cidade e apenas por alguns minutos tratou de política. Segundo o vice-presidente, neste momento de crise o PMBD tem rodado o País na Caravana da Unidade e pode perceber que os brasileiros sentem necessidade de ver a presença do Estado.

"A Constituição garante a independência e autonomia dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário", disse Temer, destacando, porém, que o poder de governar tem de ser unitário. "Com desarmonia entre os três poderes, há uma grave desobediência à Constituição", declarou. O vice-presidente afirmou que existe consciência da necessidade de união entre os três poderes, mas comentou que "às vezes é preciso pregar o óbvio".

Temer também mencionou a necessidade de participação da iniciativa privada no processo para acabar com a crise política. "É preciso união da iniciativa privada, do capital com o trabalho, do empregador com os empregados", disse. "Vamos sair da crise unidos - poder Executivo, Legislativo, Judiciário e iniciativa privada."

Durante o evento, o prefeito de Tietê, Manoel David Korn de Carvalho (PSD), tratou Michel Temer como "nosso presidente" e teceu elogios ao vice-presidente. "Temer é um exemplo de temperança e é disso que o Brasil precisa", disse.

O vice-presidente não respondeu a perguntas dos jornalistas sobre os acontecimentos mais recentes envolvendo as investigações da Operação Lava Jato, que na sexta-feira usou condução coercitiva para levar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a prestar depoimento.

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX