Uarlen Valério/AFP
Uarlen Valério/AFP

Em almoço com Dilma, Lula diz que reforma vai trazer governabilidade

Na tentativa de conter as ameaças de afastamento do cargo, Dilma cedeu aos apelos de Lula e de outros aliados e aceitou aumentar o espaço do PMDB no governo.

Isadora Peron, O Estado de S. Paulo

01 Outubro 2015 | 18h11

Brasília - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva demonstrou "otimismo" durante o almoço com a presidente Dilma Rousseff em que discutiu os últimos detalhes da reforma ministerial. Segundo um dos participantes do encontro, Lula está confiante de que a nova coalizão de forças vai surtir efeito e garantir governabilidade à afilhada política.

Na tentativa de conter as ameaças de afastamento do cargo, Dilma cedeu aos apelos de Lula e de outros aliados e aceitou aumentar o espaço do PMDB no governo. Ela também concordou, depois de muita pressão, em substituir o ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, por Jaques Wagner, que hoje está na Defesa.

No almoço, do qual também participaram o presidente do PT, Rui Falcão, e ministros da sigla, o grupo discutiu ainda a questão do PMDB, que trava uma disputa interna para saber quem ficará com a Secretaria dos Portos. Segundo um dos presentes, ficou acertado que caberá ao partido aliado definir quem ficará com cada um dos sete ministérios da cota da legenda.

Apesar de Dilma ter oferecido o Ministério da Ciência e Tecnologia à bancada de deputados peemedebistas, o líder do partido na Câmara, Leonardo Picciani (RJ), diz não estar interessado na cadeira. A presidente tentou ainda que algum dos aliados de Temer, como o ministro Eliseu Padilha (Aviação Civil), ficasse com o posto, mas não obteve sucesso.

Dilma espera equacionar esse problema até esta sexta, quando está previsto o anúncio da nova configuração da Esplanada.

Mais conteúdo sobre:
Reforma Ministerial Lula Dilma Rousseff

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.