Amanda Perobello/Estadão
Amanda Perobello/Estadão

Eleições motivam críticas de Maia e Eunício ao Planalto

Presidentes da Câmara e do Senado buscam protagonismo e não querem parecer que são ‘pautados’ por Temer

Vera Rosa e Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

22 Fevereiro 2018 | 05h00

BRASÍLIA - O confronto aberto pelos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), com o presidente Michel Temer – por causa do “plano B” do governo no Congresso, após o fiasco da reforma da Previdência – tem como pano de fundo as eleições. Os dois estão em busca de protagonismo na cena política e não querem parecer que são “pautados” por uma gestão impopular.

A reação começou após o decreto de intervenção federal no Rio. Maia e Eunício avaliam que Temer passou por cima do Legislativo ao tentar puxar para o governo a pauta da segurança pública. O clima piorou com o anúncio, feito pelo Palácio do Planalto, de uma “agenda alternativa” com 15 projetos econômicos, para compensar o enterro das mudanças nas regras da aposentadoria.

+++Intervenção não é motivada por tentativa de reeleger Temer, diz governo

Para Maia, as medidas cheiram a “café velho e frio, que não atende à sociedade”. “Esses temas já estão na pauta aqui há muito tempo. De repente vira uma pauta do governo? A pauta da Câmara quem faz é a presidência da Câmara, não é o presidente da República. É uma questão de respeito institucional”, criticou ele.

Pré-candidato ao Palácio do Planalto, Maia atribuiu a Temer a intenção de criar um imposto para bancar a segurança pública. “Expliquei a ele: é inviável, porque, por lei, tem que ser para o próximo ano e por emenda constitucional não pode por causa do decreto da intervenção”, afirmou o deputado. A ideia do imposto, considerada extremamente impopular, ainda não foi tratada oficialmente pelo governo.

+++Maia sugere redução de ministérios e diz que eventual candidatura Temer é 'problema do Planalto'

Na tentativa de puxar o protagonismo de volta para si, o presidente da Câmara determinou a criação de um “observatório” para fiscalizar as ações de segurança pública do governo, inclusive a própria intervenção, e decidiu iniciar na próxima semana votações de projetos na área. O plano é criar uma comissão especial para “consolidar” as propostas que serão votadas. 

Responsável pela articulação política com o Congresso, o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, fez um mea-culpa pela forma como o Planalto anunciou o pacote de 15 medidas, mas disse que o “mal-entendido” foi superado. “Talvez, e eu sou uma pessoa muito franca, antes de anunciar devêssemos ter trazido aqui e comunicado (Maia e Eunício), mesmo que tivesse havido algumas discussões. Talvez, mas isso já é coisa superada.”

Auxiliares de Temer dizem não entender Maia, mas acreditam que seus últimos movimentos estão relacionados à intervenção federal no Rio. A atitude de Eunício causou ainda mais estranheza no Planalto. O emedebista afirmou que o Senado não é um “puxadinho” do governo. Para interlocutores de Temer, o que está por trás dessas declarações é mesmo a campanha eleitoral.

Lula. Eunício vai disputar novo mandato no Senado na chapa do governador do Ceará, Camilo Santana (PT). Além disso, se o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva entrar no páreo, o palanque de Eunício abrigará o petista, e não um concorrente do MDB. Nesse jogo, enquanto a rejeição a Temer não diminui, mesmo quem é de seu partido adota a estratégia do “morde e assopra” e mantém distância regulamentar do governo. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.