1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Eleição de líder do PMDB deve afetar destino de Cunha

- Atualizado: 14 Fevereiro 2016 | 21h 57

Presidente da Câmara tem se empenhado pessoalmente na disputa pelo comando da bancada de 67 deputados, a maior na Câmara

Deputado Hugo Motta (à esq.) tem apoio do presidente da Câmara, Eduardo Cunha
Deputado Hugo Motta (à esq.) tem apoio do presidente da Câmara, Eduardo Cunha

BRASÍLIA - Maior bancada da Câmara, o PMDB elege seu novo líder nesta quarta-feira. Mais do que o poder de influenciar decisões no Congresso, a escolha deverá ter impacto na definição do futuro da presidente Dilma Rousseff e do presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). No governo, a expectativa é que o novo comandante peemedebista ajude a enterrar de vez o processo de impeachment da presidente, que deve ter seguimento após decisão do Supremo Tribunal Federal (STF).

Os dois nomes que buscam comandar a bancada de 67 deputados são “crias” de Eduardo Cunha, mas hoje atuam em campos opostos. Leonardo Picciani (RJ), atual líder que tenta a recondução, tem a preferência do Palácio do Planalto. Já Hugo Motta (PB) tem a bênção do presidente da Câmara, desafeto do governo, que se empenhou na missão de eleger seu afilhado. Líderes partidários, nos bastidores, avaliam que o vencedor da eleição interna indicará quem – Dilma ou Cunha – começa o ano mais forte.

No governo, a avaliação é de que uma vitória de Picciani representará a maior derrota do presidente da Câmara, que enfrenta pedido de cassação do mandato no Conselho de Ética, devido a seu afinco para dar impulso a Motta. Um interlocutor do Planalto diz acreditar que, caso o candidato de Cunha seja derrotado, fica mais forte a tese de afastamento do presidente da Câmara – o STF deve analisar no próximo mês pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, de que o peemedebista deixe o comando da Casa.

Avaliação semelhante se faz entre os parlamentares. “Se Picciani sacramenta essa vitória, atesta que ele (Cunha) não tem essa força toda”, analisa o líder do PR na Câmara, Maurício Quintella Lessa (AL).

Composição. A expectativa do governo, principalmente, em relação à decisão da bancada, é sobre a indicação de nomes contrários ao impeachment na Comissão Especial criada na Câmara para analisar o tema, uma prerrogativa do novo líder. Apesar de mais afinado com Picciani, para o Planalto, uma vitória de Hugo Motta não seria o pior dos cenários, pois governistas acreditam ser possível compor com o ele. O deputado diz ser pessoalmente contrário ao impeachment, mas que colocará o tema em discussão na bancada após ser eventualmente eleito. “Hugo, se fosse o vencedor da disputa, procuraria reunificar o PMDB. Não acho que ele levantaria nenhum estandarte pró-impeachment”, avalia Lessa.

Recém-conduzido à liderança na Câmara, o novo líder do PT, Afonso Florence (BA), diz que seu partido não tem preferência entre os candidatos, mas ressalta que o PMDB tem um “compromisso assumido” com o governo. “Seja quem for o líder, temos obrigação de dialogar com a bancada”, diz.

Na oposição, a leitura é de que, vencendo, Picciani atuará como líder de governo diante de sua bancada. Já a vitória de Motta significaria um fortalecimento de Cunha, embora temporário.

Eduardo Cunha tem minimizado o impacto do resultado da eleição no PMDB. Ele tem dito a interlocutores que o processo do impeachment não será afetado pela escolha do líder e que é “bobagem” entenderem uma vitória de Picciani como seu enfraquecimento ou o inverso, caso Motta seja escolhido.

Por enquanto, os dois lados cantam vitória. Aliados de Picciani propagavam que seu candidato tem o apoio de 45 deputados e os de Motta diziam que ele tem 39. / COLABOROU DAIENE CARDOSO

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX