Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Eike já produziu oito anexos de proposta de delação que envolvem Lula, Cabral e Mantega

Empresário prepara documento a ser entregue à Procuradoria no Rio acrescido de informações de executivos do grupo X

Mariana Sallowicz, O Estado de S.Paulo

14 Julho 2017 | 14h54

RIO - O empresário Eike Batista e seus advogados já produziram ao menos oito anexos da sua proposta de delação premiada que será entregue ao Ministério Público Federal no Rio, segundo apurou o Estado/Broadcast com fontes que tiveram acesso às negociações. Conforme informações, Eike propõe relatar repasses ilícitos ao ex-governador do Rio Sérgio Cabral (PMDB) e para o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega (PT).

Em relação a Cabral, a colaboração cita propinas pagas por ao menos duas empresas de Eike – a petroleira OGX e a OSX, braço de construção naval do grupo.

No caso de Mantega, ele se propõe a detalhar um suposto pedido do então ministro para que fizesse um pagamento de R$ 5 milhões que seriam destinados ao PT. Eike já tratou do assunto em depoimento prestado no ano passado à força-tarefa da Lava Jato, em Curitiba. Na ocasião, ele disse que recebeu o pedido do então ministro em novembro de 2012 e que a quantia seria usada para quitar dívidas de campanha da legenda.

Executivos. A defesa do fundador do Grupo X está agora colhendo anexos de executivos e ex-executivos das empresas de Eike, que podem corroborar as suas declarações. Neste momento, há cinco executivos colaborando, segundo fontes. O empresário alega que recorreu a eles em busca de detalhes porque ficava na holding do grupo, a EBX, e não estaria envolvido no dia a dia das companhias.

Procurado, o Ministério Público Federal informou que não se manifesta sobre tratativas de acordos de delação.

O advogado de Eike, Fernando Martins, disse que não iria comentar o caso. O empresário foi preso no início do ano pela Operação Eficiência, desdobramento da Calicute (operação que levou Cabral à prisão no ano passado). Atualmente, Eike cumpre prisão domiciliar na sua residência na zonal sul do Rio.

Nesse processo, o fundador do Grupo X foi indiciado por corrupção ativa e lavagem de dinheiro. Ele teria pagado US$ 16,5 milhões em propinas ao suposto esquema liderado pelo ex-governador Sérgio Cabral para ter benefícios em seus negócios. Além disso, teria desembolsado R$ 1 milhão em propina a Cabral, por meio de contrato fraudulento com o escritório de advocacia de Adriana Ancelmo, mulher do ex-governador.

As tratativas sobre o acordo com Procuradoria da República no Rio já estão em andamento há alguns meses, mas o processo ainda terá de passar pela Procuradoria-Geral da República, em Brasília. Isso porque a delação de Eike envolve pessoas com foro privilegiado.

Pessoas com acesso às negociações afirmaram também que, na sua proposta, Eike cita o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O empresário propõe detalhar lobby que teria sido feito por Lula em favor das empresas do Grupo X. Ele, no entanto, diz que o petista nunca fez pedido formal para que contribuísse em campanhas eleitorais.

A delação do empresário ainda precisa ser firmada com o MPF e depois homologada pela Justiça. Todo relato deve ser corroborado por provas.

A defesa de Cabral informou não ter conhecimento da delação de Eike e do seu conteúdo. Procuradas, as defesas de Lula e Mantega não haviam se manifestado até a conclusão desta edição.

O empresário iria depor nesta sexta-feira, 14, mas teve o interrogatório adiado na 7.ª Vara Federal Criminal do Rio. Uma nova audiência já foi remarcada para o dia 31.

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.