Eduardo Braga será ministro da Previdência

Peemedebista vai comandar a pasta, que já tinha sido oferecida e rejeitada pelo partido

Vera Rosa e Eugênia Lopes, de O Estado de S.Paulo,

06 Dezembro 2010 | 23h01

BRASÍLIA - O ex-governador do Amazonas e senador eleito Eduardo Braga será o ministro da Previdência no governo de Dilma Rousseff. Apesar das restrições do PMDB à pasta, cujo orçamento é majoritariamente vinculado ao pagamento de aposentadorias e pensões, a cúpula do partido decidiu aceitar a oferta e indicar o ex-governador para o cargo.

 

Este é o terceiro ministério acertado entre o PMDB e Dilma Rousseff . No xadrez ministerial, o PMDB ficará com as pastas de Minas Energia, sob o comando do senador Edison Lobão (MA), e da Agricultura, que continuará nas mãos de Wagner Rossi. O Ministério do Turismo também poderá ficar com o PMDB.

 

A direção do partido apresentou uma lista com os nomes de seis deputados candidatos ao ministério. Os mais cotados para a vaga são Mendes Ribeiro (RS) e Pedro Novais (MA). O PMDB reivindica cinco ministérios. A secretaria de Assuntos Estratégicos poderá ser a quinta pasta a ser ocupada pelo partido.

 

Ao mesmo tempo em que o PMDB acerta seu espaço no futuro governo, o PSB também faz as últimas tratativas com os interlocutores de Dilma para definir quais ministérios vai ocupar. O deputado Ciro Gomes (CE), que foi obrigado pelo partido a desistir de sua candidatura à Presidência da República, deverá perder seu apadrinhado político no primeiro escalão do futuro governo. A secretaria de Portos provavelmente continuará nas mãos do PSB, mas com a nomeação do deputado Márcio França (SP), para o cargo. Hoje, a secretaria é comandada por Pedro Brito, ligado a Ciro.

 

Além da secretaria de Portos, o PSB deverá chefiar outros dois ministérios no governo de Dilma Rousseff: o da Integração Nacional e o da Micro e Pequena Empresa, que ainda será criado. Por sua vez, Ciro poderá vir a ocupar a presidência de uma estatal. O Banco do Nordeste do Brasil (BNB) é uma das opções para alocar o deputado. Em viagem à Europa com um dos filhos, Ciro já foi cogitado para ocupar a presidência do BNDES, mas acabou descartado. O Banco continuará a ser dirigido pelo socialista Luciano Coutinho.

 

O presidente nacional do PSB e governador de Pernambuco, Eduardo Campos, está em Brasília para acertar os últimos detalhes da participação do partido no futuro governo. O nome do ex-prefeito de Petrolina Fernando Bezerra Coelho é praticamente certo para comandar a Integração Nacional. Sua indicação conta com o aval de governadores do Nordeste, como Jaques Wagner (Bahia), Marcelo Deda (Sergipe) e Eduardo Campos (Pernambuco), a quem Fernando é ligado. Nas eleições deste ano, Fernando desistiu de disputar uma vaga ao Senado a pedido de Campos e apoiou Humberto Costa, recém-eleito senador, com a promessa de que ganharia um cargo importante.

 

Para ao Ministério da Micro e Pequena Empresa o nome mais cotado é o do senador Antonio Carlos Valadares (SE). Sua escolha permite que o presidente nacional do PT, José Eduardo Dutra, assuma uma cadeira no Senado. Ele é o primeiro suplente de Valadares. O nome de Márcio França, presidente do PSB em São Paulo, tem o apoio da bancada na Câmara e no Senado. A pretexto de um seminário do partido, que começa nesta terça-feira, 7, Eduardo Campos passa os próximos dias em Brasília para definir o espaço do PSB no futuro governo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.