1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Edson Aparecido deixa a Casa Civil do governo Alckmin

- Atualizado: 25 Março 2016 | 20h 46

Comunicado do governo do Estado diz que secretário-chefe da Casa Civil vai se candidatar a vereador neste ano; Aparecido é investigado por improbidade administrativa e enriquecimento ilícito pelo MP-SP

São Paulo - Edson Aparecido, secretário-chefe da Casa Civil do governo Geraldo Alckmin (PSDB), deixou oficialmente o cargo nesta sexta-feira, 25. Em um comunicado de três linhas, o governo do Estado de São Paulo informa que Aparecido "deixou o governo, a seu pedido, para se candidatar a vereador na cidade de São Paulo". Quem assume a pasta é o secretário-adjunto, Fabrício Cobra.

Edson Aparecido vinha perdendo espaço no governo Alckmin por não ter feito campanha para o empresário João Doria nas prévias do partido. Doria, que será candidato tucano à Prefeitura, foi apoiado pelo governador na disputa interna contra o vereador Andrea Matarazzo.

Ele era o responsável pela articulação política do Palácio dos Bandeirantes e foi coordenador da campanha de reeleição do governador Geraldo Alckmin em 2014. Quando a informação sobre a sua saída foi revelada pelo Estado, no dia 4 de março, o Palácio dos Bandeirantes negou a mudança.

Edson Aparecido, agora ex-secretário da Casa Civil de São Paulo
Edson Aparecido, agora ex-secretário da Casa Civil de São Paulo

A gota d'água que azedou a relação entre Alckmin e Aparecido foi um discurso do secretário, em um ato de encerramento da pré-campanha de Doria, no qual ele pregou unidade ao PSDB, exaltou os quadros "históricos" do partido, mas não declarou voto no empresário. O governador não teria gostado da atitude do auxiliar.

Dirigentes tucanos dizem, de forma reservada, que a disputa pela vaga de candidato à Prefeitura de São Paulo causou um racha irreversível no partido.

Investigação. O agora ex-secretário da Casa Civil do governo paulista é alvo de investigação do Ministério Público de São Paulo por suposto enriquecimento ilícito e ato de improbidade, na compra de um imóvel de R$ 620 mil na Vila Nova Conceição. Ele informou que para adquirir o bem, pegou emprestado, em 2006, R$ 110 mil de uma assistente pessoal e de sua então namorada - hoje sua mulher - para completar o valor de compra do imóvel.

Os empréstimos não foram declarados ao Imposto de Renda, reconheceu Aparecido à Promotoria, em depoimento prestado na última terça-feira, 22. A suspeita dos investigadores é que esse valor representou apenas 30% do valor real do imóvel na ocasião. Hoje, o apartamento está avaliado em R$ 2,5 milhões. Em fevereiro, o portal UOL revelou que o imóvel foi vendido pelo empreiteiro Luiz Alberto Kamilos, dono da Construtora Kamilos, que mantém contratos com o governo estadual.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.