Economia do Brasil cresce 0,5% no 3º trimestre e volta a patamar 'realista'

Na comparação com o mesmo período do ano passado, PIB cresceu 6,7%, segundo o IBGE.

Fabrícia Peixoto, BBC

09 Dezembro 2010 | 09h24

Na comparação com o mesmo período do ano passado, PIB cresceu 6,7%

Após um semestre de forte expansão, a economia brasileira voltou a esfriar no 3º trimestre, com um crescimento de 0,5% em relação ao trimestre anterior.

Na comparação com o mesmo período do ano passado, o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro cresceu 6,7%, de acordo com dados divulgados nesta quinta-feira pelo IBGE.

Segundo analistas, esse resultado coloca o país em um patamar mais "realista", ou seja, compatível com seu potencial de expansão.

"Estamos vendo uma convergência dos indicadores para os padrões do país, de acordo com sua capacidade produtiva", diz Alex Agostini, economista-chefe da agência de risco Austin Rating.

Quando projetado para todo o ano, o crescimento do PIB no trimestre representa uma expansão anual de 6,1%, número mais próximo do potencial de crescimento do país, que varia de 4,5% a 5%, segundo economistas.

Pressão

O crescimento acima do potencial no primeiro semestre, quando a economia se expandiu a um ritmo anualizado de 8%, é apontado como um dos motivos da pressão inflacionária.

Em novembro, a inflação oficial do país (IPCA) ficou em 0,83%, o maior índice para este mês desde 2002.

"O fato de termos tido um crescimento menor do PIB no trimestre era desejável. Reflete um crescimento equilibrado", diz Agostini.

O economista Rogério Sobreira, da FGV-Rio, diz que o PIB mais moderado no trimestre deixa o Brasil em uma situação confortável, sobretudo quando comparado com outras economias, mas que isso "não livra" o país de certas preocupações.

"A principal delas e mais evidente é a inflação, mas temos ainda questões fiscais a serem resolvidas", diz o professor. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.