Andre Dusek/Estadão
Andre Dusek/Estadão

'É um problema, mas será resolvido', diz Maia sobre fogo cruzado entre DEM e PMDB

Presidente da Câmara reforçou que segunda denúncia contra Temer seguirá o mesmo rito da primeira

Eduardo Laguna e Caio Rinaldi, O Estado de S.Paulo

22 Setembro 2017 | 12h34

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, disse nesta sexta-feira, 22, que o assédio do PMDB a políticos que vinham negociando com seu partido, o DEM, "é um problema, mas será resolvido". E reiterou que a segunda denúncia contra o presidente Michel Temer (PMDB), enviada à Câmara nesta quinta-feira, seguirá o mesmo rito da primeira. As afirmações foram dadas na convenção do Solidariedade realizada nesta sexta-feira na capital paulista.

Em uma saída tumultuada e cercado por seguranças, Maia deu declarações curtas a jornalistas. Disse que ainda não conversou com Temer sobre o que considera um avanço do PMDB sobre deputados do PSB que vinham negociando filiação ao DEM. Recentemente, o partido de Temer conseguiu atrair o senador Fernando Bezerra Coelho (ex-PSB). E pelo menos outros seis deputados do partido, que estavam em negociação para migrar para o DEM, foram procurados pela cúpula peemedebista, enfurecendo Maia.

+++ Temer tenta evitar rebelião na base após ataque de Maia

Após declarar que o PMDB deu "uma facada nas costas" do DEM, o deputado contemporizou durante o evento as críticas à condução política do governo, voltou a defender a reforma da Previdência, e disse que o presidente Temer irá avançar com a agenda de reformas até 2018, último ano do mandato. "O Brasil vive hoje uma turbulência e o governo também, mas o presidente Temer está conseguindo avançar na agenda de reformas", ponderou Maia. "Hoje a Previdência beneficia uma parcela muito pequena de pessoas que ganham muito, enquanto a sociedade é prejudicada", explicou Maia.

+++ VERA MAGALHÃES: Segunda denúncia contra Temer reabre muro das lamentações

"O Estado brasileiro precisa parar de atender a poucas empresas e servidores e atender a todos os brasileiros", disse o presidente da Câmara dos Deputados, que lembrou sinais de que a economia parou de se contrair. "Já vemos a economia melhorar, o emprego parou de piorar."

+++ Maia diz que 'não vai misturar denúncia com problema de dois partidos e parte do Planalto'

O parlamentar apontou que é necessário impulsionar a criação de empregos com carteira assinada. "Por enquanto, o emprego que está crescendo é o emprego precário. Com a volta dos investimentos, principalmente em infraestrutura, sabemos que o emprego voltará a crescer", comentou Maia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.