Rafael Arbex/Estadão
Rafael Arbex/Estadão

'É natural que haja mudanças', diz Alckmin sobre debandada do PSDB

Tucanos estão divididos entre apoiar o vice-governador, Márcio França (PSB), e o candidato do PSDB, prefeito João Doria, na disputa; ex-presidente da Alesp, Barros Munhoz, deixou PSDB para se filiar ao partido de França

Caio Sartori, O Estado de S.Paulo

02 Abril 2018 | 12h29

O governador Geraldo Alckmin, que deixa o cargo no próximo dia 7 para concorrer à Presidência, disse na manhã desta segunda-feira que a debandada de políticos do PSDB faz parte do processo político. "É natural que nesse período de janela haja mudanças, não só no PSDB."

++ Candidatura França gera dissidência no PSDB

Quadros importantes do partido em São Paulo, como o líder do governo na Assembleia Legislativa, Barros Munhoz, deixaram a sigla em represália à candidatura do prefeito João Doria ao governo estadual. Doria será o nome dos tucanos para a disputa contra o vice-governador Márcio França, do PSB, novo partido de Munhoz.

Perguntado sobre a briga política entre os dois aliados - e se subiria no palanque de França mesmo com o PSDB tendo candidato próprio -, Alckmin desconversou. Limitou-se a dizer que, uma vez fora do Palácio dos Bandeirantes, vai viajar o País "pregando união nacional."

O governador participou nesta manhã da divulgação de um investimento de R$ 506,3 milhões em melhorias para as estradas de São Paulo. Na reta final do mandato, Alckmin corre contra o tempo para entregar o máximo possível de obras. Para esta semana, por exemplo, estão previstas inaugurações de novas estações do metrô.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.