1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

E-mail com chantagem por pagamento em caso de MP era descabido e maluco, diz secretária de montadora

- Atualizado: 02 Fevereiro 2016 | 13h 54

Lilian Gasperoni, auxiliar do executivo da montadora MMC Automotores, Eduardo de Souza Ramos recebeu mensagens que exigiam o pagamento de US$ 1,5 milhão de representantes da empresa

BRASÍLIA - A secretária executiva Lilian Gasperoni, que trabalha na MMC Automotores (fabricante de veículos Mitsubishi no Brasil), afirmou nesta terça-feira, 2, que a polícia não foi informada sobre e-mails enviados à empresa com ameaças e extorsão porque o conteúdo era "descabido" e "maluco". Segundo ela, não foi dada importância ao texto, que cobrava, em tom de chantagem, pagamentos pela negociação de uma medida provisória.

Lilian é auxiliar do executivo da montadora Eduardo de Souza Ramos, réu de ação penal que apura suposta "compra" de medidas provisórias no governo federal. Ele responde por corrupção ativa, organização criminosa e lavagem de dinheiro. Em outubro de 2010, Lilian recebeu mensagens que exigiam o pagamento de US$ 1,5 milhão de representantes da montadora. Caso o valor não fosse desembolsado, o remetente ameaçava contar o que sabe sobre supostas irregularidades na negociação da medida provisória 471. Conforme um dos e-mails, nas tratativas, teria havido a oferta e R$ 4 milhões a "pessoas do governo" do "PT". As ameaças foram reveladas pelo Estado em outubro do ano passado.

O executivo da MMC Automotores, Eduardo de Souza Ramos
O executivo da MMC Automotores, Eduardo de Souza Ramos

Conforme denúncia do Ministério Público Federal oferecida à Justiça, o esquema para chantagear a montadora foi contratado por lobistas que haviam pactuado com a MMC e a CAOA (que fabrica modelos Hyundai) o pagamento de R$ 32 milhões para viabilizar a edição, pelo governo, e a aprovação, pelo Congresso, da medida provisória.

A MMC teria feito os pagamentos, mas a CAOA, supostamente, não teria cumprido sua parte no acordo. Diante disso, os lobistas teriam enviado as mensagens para pressionar pelos repasses. O remetente se identificava como Raimundo Lima, mas o verdadeiro autor seria Halysson Carvalho, que responde à ação penal por extorsão.

No depoimento, prestado por videoconferência, Lilian explicou que recebeu os e-mails e os mostrou para o chefe. Ramos, no entanto, disse para ela que os repassasse ao lobista Mauro Marcondes Machado, que representava tanto a MMC quanto a CAOA. "Achei muito descabido. Maluco! Essa pessoa tinha um vocabulário muito tosco", justificou.

Lilian afirmou que as mensagens não foram levadas a sério. Por isso, a polícia não teria sido avisada. "Não foi comunicada justamente porque não foi levada a sério" , explicou a secretária. O Ministério Público sustenta, no entanto, que não houve a denúncia por medo de que o esquema fosse descoberto.

Lilian informou que não conhece a maioria dos lobistas investigados na Operação Zelotes por envolvimento no suposto esquema. Ela disse que seus superiores não comentaram qual era a origem da dívida cobrada nas mensagens.

Nesta terça, a Justiça Federal ouviu até o momento sete testemunhas de defesa do caso. As audiências serão retomadas. A previsão é de que seja ouvida a primeira ré: a empresária Cristina Mautoni, mulher de Mauro Marcondes.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX