1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

'É difícil ser republicano neste país', diz Cardozo

- Atualizado: 02 Março 2016 | 10h 08

Ex-ministro da Justiça, recém-saído do cargo, afirma que sofreu críticas e pressões de todos os lados, e não apenas do PT, seu partido

O ex-presidente, Luiz Inácio Lula da Silva e o ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo
O ex-presidente, Luiz Inácio Lula da Silva e o ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo

BRASÍLIA - De saída do Ministério da Justiça, José Eduardo Cardozo afirmou nesta terça-feira, 1.º, que sofreu críticas e pressões de todos os lados, e não apenas do PT, seu partido. “É difícil ser republicano neste País”, afirmou ele ao Estado. “Houve uma situação de fadiga de material.”

Cardozo tomará posse nesta quinta-feira na Advocacia-Geral da União (AGU), atendendo a pedido da presidente Dilma Rousseff. Ele decidiu entregar o cargo na Justiça, que ocupou durante cinco anos, após forte pressão do PT e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Alvo da Operação Lava Jato, Lula sempre o responsabilizou por não controlar a Polícia Federal.

O novo chefe da AGU, porém, tentou amenizar o mal estar com Lula e com o seu partido. “As críticas foram de setores da base aliada do governo e da oposição. Não posso imputar isso a A, B ou C. É da vida”, desconversou. “Recentemente, por exemplo, a oposição me criticou por causa da abertura de um inquérito”, disse ele, numa referência à investigação aberta pela Polícia Federal para apurar se o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso enviou dinheiro no exterior à jornalista Miriam Dutra, com quem teve um relacionamento, por meio da empresa Brasif. FHC nega ter usado qualquer empresa para transferir recursos ao exterior.

Cauteloso, o ministro disse que Lula é “um grande líder” e afirmou não ter nenhuma intenção de sair do PT. Ao ser questionado sobre o maior desafio do partido, que completou 36 anos, ele não quis entrar em polêmica. “O PT não pode envelhecer”, argumentou.

Cardozo integra a corrente Mensagem ao Partido, a segunda maior força da legenda. Quando eclodiu o escândalo do mensalão, em 2005, a Mensagem -- como é conhecida a tendência -- pregou a “refundação” do PT e a renovação de práticas internas.

Na noite desta terça-feira, sem esconder o cansaço, tudo o que Cardozo não queria, porém, era falar de política. Ele assegurou que a autonomia das investigações da Lava Jato “será respeitada” por seu sucessor, Wellington Cesar Lima e Silva, e minimizou as críticas à sua indicação.

Integrantes da Advocacia Pública Federal divulgaram nesta segunda-feira uma nota de repúdio à nomeação de Cardozo, que substituirá Luís Inácio Adams. Para eles, a escolha de um nome fora da carreira é um “retrocesso inaceitável” por ignorar a lista tríplice apresentada à Presidência da República com os mais votados pela AGU.

“É normal que as corporações façam essas reivindicações. Eu também sou advogado público e tenho certeza de que vamos nos entender”, afirmou Cardozo. “A minha disposição é de total diálogo. Não há por que ter divergências. Vamos somar esforços.”

Cardozo também vai cuidar da defesa de Dilma no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), onde tramitam ações do PSDB pedindo a cassação dela e a do vice, Michel Temer, por abuso de poder econômico. “É a primeira vez na história que vejo alguém ter a tese do impeachment na mão e procurar um fato para justificá-lo”, ironizou. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX