Onze deputados ‘viram casaca’ na 2ª votação

Quem mudou voto para apoiar Temer argumenta que é um ‘mal maior’ a troca de presidente agora; ‘infiéis’ creditam mudança à pressão das ruas

Daiene Cardoso, O Estado de S.Paulo

27 Outubro 2017 | 00h53

Correções: 27/10/2017 | 16h00

BRASÍLIA - Onze deputados “viraram casaca” na votação de quarta-feira, 25, na Câmara, que barrou o andamento da segunda denúncia contra o presidente Michel Temer, em relação à primeira acusação formal, apreciada em agosto. Entre os “infiéis” – sete –, o principal argumento foi a pressão da opinião pública. Já no caso de quem decidiu aderir ao governo na segunda votação – quatro –, a justificativa foi a de que uma nova mudança na Presidência seria um “mal maior” para o País. A denúncia foi barrada pelo placar de 251 votos a 233.

Deputados que votaram por barrar a segunda denúncia relataram que foram retaliados quando se posicionaram contra o governo em agosto. O deputado César Halum (PRB-TO), que votou contra Temer na primeira denúncia, disse que foi punido com a retirada dos dois cargos que tinha em seu Estado. “Após aquele voto meu na primeira denúncia as pessoas foram exoneradas”. 

Halum afirmou que, antes da votação da segunda denúncia, foi procurado por líderes partidários, que chegaram a questioná-lo se gostaria de reaver os cargos. O deputado, porém, diz ter recusado e votado a favor de Temer na quarta-feira, “por convicção”. “Não tenho interesse, não quero”, afirmou. “Essa mudança seria um trauma”. 

Carlos Gomes (PRB-RS) também votou contra o governo na primeira denúncia e agora mudou de opinião. Ele alegou que em agosto ainda era possível destituir o presidente pela distância do período eleitoral, mas que agora haveria um “inferno econômico” porque haveria dúvida em quem colocar na função. Gomes também perdeu o cargo que tinha no Estado justamente no dia da votação da segunda denúncia. Ainda assim, disse, manteve o voto com o governo. “Tenho de fazer um voto avaliando a conjuntura.”

Contramão. Entre os parlamentares que fizeram o caminho inverso, foi no PSD que Temer perdeu mais votos da primeira para a segunda denúncia: quatro. Foi o caso de Heuler Cruvinel (PSD-GO). Na primeira votação, Cruvinel alegou que as acusações dos irmãos Wesley e Joesley Batista, da JBS, não mereciam credibilidade. Mas, segundo ele, após Polícia Federal encontrar malas de dinheiro num apartamento atribuído ao ex-ministro Geddel Vieira Lima, se convenceu de que há provas consistentes que indicam a formação de uma organização criminosa. 

O deputado Jaime Martins (PSD-MG) disse que votou com o governo na primeira denúncia por considerar que o STF vem atuando de forma política e que, por isso, não teria isenção suficiente para julgar o presidente da República. 

Agora, afirma, o cerco da opinião pública nas redes sociais e a abordagem do eleitorado na rua pesaram na mudança de voto. “Eu nunca quis votar pela impunidade. A opinião pública acha que se tem indícios de culpa, tem de haver investigação”. 

No DEM, Abel Mesquita Jr. (RR), que se diz independente, mudou de voto porque, segundo ele, formou convicção de que houve cometimento de crimes. “Na primeira denúncia eu não tinha convicção. Depois das denúncias, das delações, me convenci. O presidente tem de responder. Ninguém está acima da lei”, disse.

Vice-líder do PMDB na Câmara e um dos principais integrantes da “tropa de choque” do governo, o deputado Carlos Marun (MS) atribuiu nesta quinta-feira, 26, a perda de apoio do presidente a possíveis demandas não atendidas pelo Palácio do Planalto. “Talvez tenha aparecido gente com pedido complementar, daí, com, razão o governo não quis atender”, disse.

Correções
27/10/2017 | 16h00

Diferentemente do publicado inicialmente, 11 deputados mudaram de posição entre uma denúncia e outra, não 12.

Mais conteúdo sobre:
Michel Temer

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.