Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Doria propõe unificar prévias estadual e nacional do PSDB em março

Cotado para disputar o governo de São Paulo, prefeito alega tempo para formação de alianças, mas nega estar no páreo

Renan Truffi, O Estado de S.Paulo

07 Fevereiro 2018 | 14h56

BRASÍLIA - O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB-SP), defendeu nesta quarta-feira, 7, em reunião da Executiva do PSDB, a unificação das datas das prévias estadual e nacional do partido em 4 de março. A sugestão interessa ao tucano porque ele deve se descompatibilizar do cargo de prefeito da capital paulista para concorrer ao governo do Estado. 

+++ Doria diz que PSDB sem candidato em SP é ‘hipótese zero’

As prévias nacionais do PSDB já estavam marcadas para o dia 4 de março desde o ano passado, mas como o prazo de descompatibilização eleitoral é em 7 de abril, o prefeito de São Paulo sugeriu que o partido realize as prévias tucanas para o governo do Estado em março.

+++ Doria minimiza desempenho tucano em pesquisa eleitoral

Doria nega que o motivo seja sua suposta intenção de concorrer ao Palácio dos Bandeirantes. "Isso (candidatura ao governo do Estado) não está em discussão. Estamos tratando das prévias no campo nacional. Nossa posição é pró-Geraldo Alckmin. Quanto mais cedo (as prévias), melhor. Não é o momento ainda (de decidir se vai ser candidato ou não). Nossa avaliação é fortalecer o PSDB", afirmou.

+++ Alckmin diz que cenário estadual 'independe da questão nacional'

A proposta de Doria teve apoio de parte dos deputados tucanos na reunião, mas enfrentou posição contrário de outra ala do partido, vocalizada pelo ex-governador de São Paulo Alberto Goldman, que tem rivalizado com Doria publicamente. 

+++ 'Não sou showman, me apelidaram até de picolé de chuchu', rebate Alckmin

Na entrevista aos jornalistas, após a reunião, Doria justificou que sua posição tem relação com a formação de alianças e evitou responder se será candidato ou não. "São Paulo é o maior colégio eleitoral. Um colégio que pode decidir uma eleição. (Com prévias unificadas) você também estabelece um campo de ação para o candidato eleito", disse.

+++ 'Só temos uma tarefa: ir para o segundo turno', diz Alckmin a deputados

Como houve divergências sobre a unificação das datas, a proposta de Doria ainda vai ser analisado pelo partido. Além dele, o presidente do Instituto Teotônio Vilela, José Aníbal, também almeja representar o PSDB como sucessor de Alckmin no governo. 

CRÍTICA A LULA 

Doria voltou a criticar o ex-presidente Lula quando questionado sobre a condenação do petista na Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4). O prefeito de São Paulo foi perguntado se continuaria utilizando a estratégia de rivalizar com Lula, mesmo após a decisão da Justiça.

"Não acredito que alguém com uma condenação e cinco processos não vá cumprir um tempo na prisão. Eu como cidadão e como brasileiro quero ver o Lula na prisão", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.