Hélvio Romero/Estadão
Hélvio Romero/Estadão

Doria negocia com DEM, mas ala tucana tenta impedir candidatura

Com Alckmin como pré-candidato à Presidência, o prefeito de São Paulo pleiteia candidatura ao governo do Estado

Pedro Venceslau e Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

14 Fevereiro 2018 | 22h47

BRASÍLIA - Após se aproximar do PSD, o prefeito João Doria investe agora no apoio do DEM para uma eventual candidatura pelo PSDB ao governo de São Paulo. A negociação partidária, que envolve o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM-BA), ocorre à revelia do governador Geraldo Alckmin e no momento em que uma ala tucana tenta adiar as prévias paulistas da legenda para maio. 

Doria diz que ‘não há mal nenhum' na filiação de França ao PSDB

Com o adiamento das prévias, o prefeito seria forçado a deixar o cargo para entrar na disputa interna. Pela legislação, os políticos que forem concorrer nas eleições deste ano devem renunciar até o dia 7 abril.

Doria e Maia conversaram sobre a sucessão em São Paulo no avião do prefeito, durante um voo entre Rio e Salvador na terça-feira de carnaval. Ao chegar à capital baiana, eles se juntaram ao prefeito ACM Neto. Questionado sobre o encontro, Maia disse ao Estado que a palavra final sobre uma eventual aliança em São Paulo será do diretório regional do DEM.

Problemas do carnaval na 23 de Maio vão de xixi a consumo de drogas

O prefeito deve almoçar no sábado com o secretário estadual de Habitação, Rodrigo Garcia, pré-candidato do DEM ao governo, e com dirigentes paulistas da sigla. A ideia é oferecer a Garcia a vaga ao Senado. Por essa configuração, o presidente licenciado do PSD, ministro Gilberto Kassab, seria o vice de Doria na chapa e o chanceler Aloysio Nunes (PSDB), o segundo candidato ao Senado. A movimentação de Doria incomodou aliados de Alckmin.

O governador tenta evitar um racha em sua base na campanha pelo Palácio dos Bandeirantes. Pré-candidato à Presidência, Alckmin não descarta convidar o vice-governador Márcio França (PSB), que deve assumir em abril o governo e disputar a reeleição, para se filiar ao PSDB e ser o candidato único da coalizão governista.

Tucanos paulistas ventilam ainda a possibilidade de acrescentar uma cláusula ao estatuto da legenda que tornaria todos os detentores de cargo executivo candidatos “natos” à reeleição – ou seja, sem a necessidade de disputar prévias. 

Prazo. A pedido dos três pré-candidatos ao governo que se apresentaram formalmente até agora no PSDB – Luiz Felipe d’Ávila, Floriano Pesaro e José Aníbal –, a reunião da executiva que decidirá a data das prévias foi adiada do próximo dia 19 para 5 de março. Doria havia defendido na última reunião nacional da direção do PSDB a realização das prévias já no dia 4 de março.

“Defendo que as prévias sejam em maio. Assim haverá tempo para promovermos o bom debate. A política é feita de riscos”, disse Aníbal ao Estado.

Diante do impasse, aliados de Doria no PSDB afirmam agora que o primeiro turno da eleição interna deve ocorrer no dia 11 de março e o segundo, no dia 18. Dessa forma, ele ainda poderia concorrer sem ter de deixar a Prefeitura. O grupo do prefeito age para formar maioria na reunião decisiva do partido do dia 5 de março.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.