1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Doria explora relação com Montoro para se reafirmar como tucano

- Atualizado: 16 Fevereiro 2016 | 09h 33

Em resposta às críticas de que não tem tradição no PSDB, empresário publica vídeos que o ligam ao ex-governador

Para rebater as críticas de adversários internos de que não tem tradição no PSDB, o empresário João Doria Jr. decidiu explorar sua relação com o ex-governador André Franco Montoro em uma série de vídeos publicados nas redes sociais. Montoro foi responsável pela entrada do empresário na vida política nos anos 1980. A ideia é reforçar a ligação de Doria com o ex-governador – tática já utilizada durante praticamente todos os eventos de campanha de Doria no processo de prévias do partido.

Doria é um dos três nomes do PSDB que almeja disputar a Prefeitura nas eleições deste ano. Além dele, pleiteiam a vaga o vereador Andrea Matarazzo e o deputado federal Ricardo Tripoli. O PSDB vai decidir o candidato da sigla no dia 28.

João Dória, pré-candidato do PSDB à Prefeitura de SP
João Dória, pré-candidato do PSDB à Prefeitura de SP

A equipe de Doria vem publicando nas redes sociais depoimento de pessoas “relembrando” a participação do empresário nas eleições de 1982, quando o empresário coordenou a comunicação da campanha de Montoro ao governo paulista, e também a atuação dele no movimento das Diretas-Já.

Um dos principais depoimentos que a equipe de Doria veiculou nas redes sociais é o do neto de Montoro, também chamado André – ele integra um dos grupos da ala jovem do PSDB, a Conexão 45. Na gravação, André diz: “O João vai usar a tecnologia para a cidade melhorar”.

Outro depoimento publicados no perfil de Doria no Facebook é do presidente da TV Cultura, Marcos Mendonça. No vídeo, ele recorda a campanha de Montoro em 1982 e o trabalho de Doria naquele período. “Lembro dele garoto ainda quando coordenou o grupo de comunicação da campanha de Montoro. E foi revolucionário. Mudou o País. Aquilo lá foi o passo fundamental para nós podermos ter o retorno da democracia”, disse Mendonça durante um evento promovido por Doria.

Outro vídeo publicado na rede social é um trecho de entrevista da cantora Fafá de Belém no programa Roda Viva, da TV Cultura. Durante a entrevista, a cantora lembra quando foi convidada por Doria a subir no palanque de uma das manifestações das Diretas-Já. Foi a partir de então, segundo escreveu o empresário no Facebook, que Fafá ficou conhecida como “a voz das Diretas”. A assessoria de imprensa do empresário informou que a cantora também vai gravar outra mensagem de apoio à candidatura dele.

A família Montoro, que tem tradição no PSDB, está dividida quanto a quem vai apoiar nas prévias do partido. Uma parte dela apoia Doria e é muito próxima do empresário. Alguns membros da família e Doria Jr. têm casas em Campos do Jordão, onde são vizinhos. A outra parte da família, no entanto, apoia a candidatura de Matarazzo.

Doria é filiado ao PSDB desde 2000, mas nunca teve atuação efetiva no partido, o que também gera críticas de parte dos principais líderes da legenda. O senador José Serra, que apoia a candidatura de Matarazzo à Prefeitura, ironizou Doria ao dizer que nem sabia que o empresário era filiado ao PSDB.

Alckmistas. Na semana passada, Doria recebeu o apoio do secretário de Energia do governo Geraldo Alckmin, João Carlos Meirelles, e o chefe de gabinete da pasta, Marco Antonio Castello Branco. Eles gravaram um vídeo no qual afirmavam que a candidatura do empresário representa a “renovação” do PSDB.

“Eu apoio João Doria pela sua longa militância partidária e por representar o novo, a renovação”, disse Meirelles. “Ele vem do mundo empresarial. É um fato novo no PSDB. Estamos precisando de renovação na vida política.”

O empresário é o candidato apoiado por Alckmin, que não tem se manifestado sobre isso publicamente. O governador, no entanto, tem trabalhado nos bastidores, pedindo a líderes tucanos e a seus secretários que apoiem a candidatura de Doria. / COLABOROU P.V.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX