1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail
http://topicos.estadao.com.br/operacao-lava-jato

Dono de sítio frequentado por Lula pede para ser ouvido pela Lava Jato e põe sigilos à disposição

- Atualizado: 15 Fevereiro 2016 | 14h 47

Defesa de Jonas Suassuna, que também é sócio de Lulinha, afirma que há informações distorcidas com relação às investigações sobre a propriedade e diz ter interesse em prestar esclarecimentos

No interior de SP. Sítio sob investigação em Atibaia: comerciantes e prestadores de serviço dizem que reforma no local foi paga por OAS e Odebrecht
No interior de SP. Sítio sob investigação em Atibaia: comerciantes e prestadores de serviço dizem que reforma no local foi paga por OAS e Odebrecht

RIO - A defesa de Jonas Suassuna, um dos donos do sítio Santa Bárbara, em Atibaia (SP), que é frequentado pelo pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e sua família, encaminhou nesta segunda-feira, 15, à força-tarefa da Operação Lava Jato uma petição para que o empresário seja ouvido o mais cedo possível. Também tornou disponíveis os sigilos bancário e telefônico de Suassuna, a partir da data que os investigadores julgarem conveniente.

A Lava Jato investiga obras na propriedade que teriam sido feitas por empreiteiras como Odebrecht e OAS e apura se as benfeitorias foram alguma forma de compensação das empresas por contratos firmados com o governo. A ligação do ex-presidente com o sítio, que também tem como proprietário formal o empresário Fernando Bittar, também é investigada.

Suassuna e Bittar são sócios de um dos filhos do ex-presidente, Fábio Luís Lula da Silva, o Lulinha. "Nos antecipamos porque tivemos notícia pela imprensa de que o inquérito foi desmembrado (para uma investigação específica sobre o sítio). Como algumas informações estão distorcidas, Jonas Suassuna tem interesse em prestar todos os esclarecimentos à força-tarefa", afirmou o advogado do empresário, Ary Bergher.

http://topicos.estadao.com.br/operacao-lava-jato
Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX