1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Doleiro é ligado a sócio de Furnas em hidrelétrica

Lu Aiko Otta e Fausto Macedo - O Estado de S. Paulo

08 Abril 2014 | 23h 06

Segundo a Polícia Federal, empresa parceira da estatal em Três Irmãos mantém sociedade com Alberto Youssef em laboratório

Brasília e São Paulo - A Polícia Federal suspeita que a empresa que arrematou, em parceria com Furnas, a concessão da usina hidrelétrica de Três Irmãos, seja sócia do doleiro Alberto Youssef no laboratório Labogen. É o que informa o relatório da Operação Lava Jato.

A principal sócia de Furnas na usina hidrelétrica é a GPI Participações e Investimentos. Ela é presidida por Pedro Paulo Leoni Ramos, conhecido como PP, que foi secretário de Assuntos Estratégicos no governo de Fernando Collor de Mello (1990-1992). Nas investigações que levaram ao impeachment do ex-presidente e hoje senador, PP foi apontado como operador de um esquema de corrupção ligado à Petrobrás e aos fundos de pensão de empresas estatais do governo federal.

Entre os papéis apreendidos na Lava Jato está um documento de "promessa de compra e venda de ações e outras avenças da Labogen S. A Química Fina e Biotecnologia" para três empresas, entre elas a GPI.

Os outros sócios são Quality Holding Participações e Investimentos S.A e a Linear Participações e Incorporações Ltda.

De acordo com as investigações, a Quality pertence à rede de empresas criadas por Alberto Youssef para movimentar seus negócios. Ela tem dois sócios, e há indícios que ambos trabalhem para o doleiro.

Um é João Procópio Junqueira Pacheco de Almeida Prado. Outro é Matheus Oliveira dos Santos. Ambos informam como endereço comercial o mesmo da DGF - que, segundo a PF, é empresa de fachada de Youssef. A DGF é dona do apartamento onde mora o doleiro. Um boleto de condomínio vem em nome de Youssef "a/c João Procópio".

Matheus aparece trocando e-mails com dois executivos da Labogen, Pedro Argese Júnior, diretor executivo, e Leonardo Meirelles, presidente, e neles menciona mais de uma vez um dos sócios de Leoni Ramos na GPI, João Mauro Boschiero.

O relatório da PF traz uma mensagem eletrônica de Matheus a Leonardo Meirelles, dizendo que iria "pedir uma reunião de emergência na gpi" para levar um orçamento e obter dinheiro para concluir uma obra. Em outro momento, Boschiero aparece mandando os destinatários apagarem mensagens. "Pedro e Leonardo (além de todos os que receberam os e-mails abaixo). D E L E T E M - N O U R G E N T E. As citações que foram feitas DERRUBAM NOSSO PROJETO", escreveu.

A Labogen tentava fechar um acordo de Parceria para Desenvolvimento Produtivo (PDP) com o Ministério da Saúde. Foi nesse processo que Youssef contou com a ajuda do deputado André Vargas (PT-PR).

Mas o laboratório tinha mais planos, segundo mostram os papéis em poder da PF. Os documentos mostram que a Labogen, além do caso já conhecido de tentativa de parceria com o Ministério da Saúde, também tinha planos de fornecer para a Petrobrás, mais especificamente para a BR Distribuidora.

"Chama atenção na apresentação do tema ‘projetos em desenvolvimento’, onde se observa que o foco da Labogen é a Petrobrás", diz o relatório.

Um documento com projetos da Labogen foi até ilustrado com o logotipo da BR Distribuidora. O plano era fornecer para a estatal produtos como glicerina, sequestrante de H2S, dissolventes de encrustração, inibidor de corrosão, desidratante de gás natural.

Procurada, a GPI informou que só se manifestará após seus advogados terem acesso ao inquérito da PF. Negou, porém, que Boschiero seja diretor da Labogen, como informou a revista Época desta semana.

A relação com o Labogen adiciona mais um elemento de incerteza num processo de concessão da Três Irmãos, que já está enrolado. A assinatura do contrato usina, o primeiro na área de geração de energia após a aprovação das novas regras que vieram junto com o pacote de redução das contas de luz, está suspensa por liminar concedida pelo ministro José Jorge, do Tribunal de Contas da União (TCU). Não por suspeita de irregularidade, mas porque o ministro exige uma definição sobre quem operará as eclusas e o canal Pereira Barreto, hoje atrelados a Três Irmãos.

 

 

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo