1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Dois anos após sair do governo, Lupi deixa conselho do BNDES

LUCIANA NUNES LEAL - Agência Estado

10 Março 2014 | 13h 34

Ex-ministro do Trabalho informou que pretende disputar governo do Rio em outubro; PDT contudo ainda não tem nome definido

RIO - Dois anos depois de sair do governo, o ex-ministro do Trabalho Carlos Lupi, presidente nacional do PDT, deixou nesta segunda-feira, 10, o Conselho de Administração do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Lupi disse que deixou o conselho do BNDES porque vai disputar um cargo eletivo em outubro. "Não dá para conciliar o conselho com a eleição, então já deixei formalizada e a presidente Dilma Rousseff vai assinar minha saída. Preciso estar apto para a candidatura", disse. O ex-ministro ainda não sabe que cargo disputará e ainda negocia o apoio do PDT na eleição para governador do Rio.

O pedetista tem conversado com os pré-candidatos do PMDB, Luiz Fernando Pezão, e do PT, Lindbergh Farias. Lupi disse que, nos últimos dois anos, não foi pressionado a deixar o conselho do BNDES, já que não estava mais no governo. "Nunca houve nenhum pedido para que eu saísse, ao contrário, continuei minha atuação no conselho normalmente", afirmou. O presidente do PDT trava uma briga interna com o grupo de outro ex-ministro do Trabalho, Brizola Neto. Aliado de Lupi, o atual ministro, Manoel Dias, não pretende indicar o substituto de Lupi no BNDES e deixará a escolha para a presidente Dilma. Os conselheiros do banco estatal têm remuneração de R$ 6,5 mil mensais. (Luciana Nunes Leal)

Lupi chegou ao conselho em 2007, quando foi nomeado ministro pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em dezembro de 2011, foi demitido na "faxina" promovida pela presidente Dilma Rousseff, mas continuou conselheiro do banco estatal. Lupi foi exonerado em meio a acusações de irregularidades que envolviam organizações não governamentais e o ministério. O dirigente pedetista sempre negou envolvimento em qualquer ilegalidade.