1. Usuário
Assine o Estadão
assine
Eleições 2014

Dissidentes ameaçam judicializar convenção do PP

DAIENE CARDOSO - Agência Estado

25 Junho 2014 | 14h 50

Após aprovação de uma resolução transferindo à Comissão Executiva Nacional a decisão sobre a coligação do PP em nível nacional, dissidentes que pregavam a neutralidade na sucessão presidencial condenaram a postura do presidente da sigla, senador Ciro Nogueira (PI), e ameaçam questionar o resultado da convenção na Justiça. Os dissidentes consideraram que a forma como a resolução foi aprovada foi antidemocrática e que a deliberação não tem legitimidade.

O clima na convenção nacional do PP ficou tenso quando, de forma rápida e ignorando os protestos, Nogueira colocou em votação a resolução. O senador deixou o evento sob gritos de "vendido" e avisou que a Executiva deve deliberar sobre a aliança nacional ainda nesta quarta-feira. "Isso é um arremedo de convenção", criticou o deputado Esperidião Amin (SC).

Perplexos, os dissidentes avisaram que vão estudar a melhor forma de impugnar a decisão. "Essa convenção não tem validade porque ninguém votou", atacou a senadora Ana Amélia, candidata ao governo do Rio Grande do Sul e uma das defensoras da neutralidade da legenda. No diretório gaúcho, os convencionais pregam o apoio ao candidato do PSDB à Presidência da República, senador Aécio Neves.

Durante a convenção, a divisão no partido ficou evidente. Quem defendia a manutenção da aliança com a presidente Dilma Rousseff ouvia palmas e vaias. Já os que pregavam a neutralidade chegaram a defender abertamente o apoio à candidatura tucana.

Os dissidentes resolveram deixar registrado em lista as assinaturas dos contrários à resolução aprovada hoje. Eles reclamaram que a vontade da maioria foi ignorada na convenção. "A lição daqui é que essa convenção não teve qualquer deliberação e não tem legitimidade para deliberar em nome dos convencionais. Queríamos aqui a sábia neutralidade", insistiu Ana Amélia.

Eleições 2014