1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Dirigente do PMDB do Rio diz que vai trabalhar por Aécio

LUCIANA NUNES LEAL - Agência Estado

07 Março 2014 | 08h 33

Principal articulador do apoio do PMDB a Aécio Neves, o presidente estadual do partido no Rio, Jorge Picciani, disse ontem que já mobiliza correligionários para a campanha do tucano ao Planalto. O peemedebista previu que, no plano nacional, a legenda do vice-presidente Michel Temer vai chegar dividida às eleições e lembrou que o confronto com o PT não se restringe ao Rio.

"Ao contrário de 2010, quando estivemos unidos na eleição da presidente Dilma, agora essa unidade não vai ser possível. A convenção nacional será dura. Calculo que vai se dividir com 55% de um lado e 45% de outro, só não sei se vai ganhar a aprovação ou a rejeição à reeleição da Dilma", disse Picciani. "Há insatisfação em vários Estados. De minha parte, já estou trabalhando na campanha do Aécio. Chegou a hora da alternância de poder."

A adesão do PMDB-RJ a Aécio é uma resposta ao lançamento do senador Lindbergh Farias (PT) ao governo do Rio. Os peemedebistas cobravam apoio ao vice-governador, Luiz Fernando Pezão (PMDB). "Se o Rui Falcão (presidente do PT) continuar rodando o País e tratando o PMDB da forma desrespeitosa como faz no Rio, na Bahia e em outros Estados, a aliança com Dilma vai ser desfeita", afirmou Picciani.

O governador Sérgio Cabral e Pezão anunciaram apoio à reeleição de Dilma, mas deixaram o PMDB livre no Rio. Em 2013, quando ficou clara a candidatura do PT no Estado, Cabral lembrou os laços familiares de seus filhos com Aécio para insinuar apoio ao tucano.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.